VoyForums
[ Show ]
Support VoyForums
[ Shrink ]
VoyForums Announcement: Programming and providing support for this service has been a labor of love since 1997. We are one of the few services online who values our users' privacy, and have never sold your information. We have even fought hard to defend your privacy in legal cases; however, we've done it with almost no financial support -- paying out of pocket to continue providing the service. Due to the issues imposed on us by advertisers, we also stopped hosting most ads on the forums many years ago. We hope you appreciate our efforts.

Show your support by donating any amount. (Note: We are still technically a for-profit company, so your contribution is not tax-deductible.) PayPal Acct: Feedback:

Donate to VoyForums (PayPal):

Login ] [ Contact Forum Admin ] [ Main index ] [ Post a new message ] [ Search | Check update time | Archives: 1234[5]678 ]
Subject: NOTÍCIAS, COMENTÁRIOS, ANÁLISES


Author:
António Vilarigues
[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]
Date Posted: 25/03/08 22:36:30

NOTÍCIAS, COMENTÁRIOS, ANÁLISES



Como consumidor «compulsivo» e de peso de informação sobre as diferentes e multifacetadas vertentes da realidade que nos rodeia descubro muitas vezes temas aparentemente «malditos». Manifestamente há, na comunicação social dominante, quem tenha dificuldade em lidar com o assunto Partido Comunista Português, PCP. Seja na TV, na rádio ou na imprensa escrita. Em alguns casos mais extremos até parece que o tema «queima» e que quem lhe toca perde o discernimento que manifesta na abordagem de outras questões.


Exemplifiquemos com um caso prático. A manifestação do passado sábado organizada pelo PCP e que decorreu sobre o lema «Liberdade e democracia».


Tratou-se da primeira manifestação de rua convocada pelo PCP desde a instauração do regime constitucional em Portugal em 2 de Abril de 1976. Repito: a primeira vez. Tal facto é despiciente? Não tem interesse jornalístico? Não merece comentário? Não é importante analisar o porquê de tal decisão? Pois sobre este facto relevante de um partido político, com representação parlamentar, considerar necessário vir para a rua e fazer ouvir dessa forma a sua voz nada. Nicles. Nepias. Zero. Nem uma palavra, nem uma linha. E não se pode dizer que não tiveram tempo. Entre a convocação, a 17 de Janeiro, e a realização, a 1 de Março, passaram 43 dias.

Aparentemente jornalistas, comentadores e analistas só deram por isso quando Jerónimo de Sousa o referiu.


O PCP apresentou 6 razões aqui enunciadas resumidamente: porque não podemos aceitar a violação diária de importantes direitos, liberdades e garantias dos trabalhadores e dos cidadãos; porque não admitimos que por via de leis anti-democráticas se procure condicionar o direito de livre organização, intervenção e actividade partidária; porque a democracia não pode ser impedida dentro das empresas; porque as injustiças e desigualdades sociais são cada vez maiores; porque a democracia é também composta de direitos sociais cada vez mais negados à larga maioria da população; porque não há democracia sem participação.


Sobre todos e cada um destas realidades se têm pronunciado, repetidamente e em diversos tons, diferentes actores políticos, económicos, sociais e culturais do nosso país. Quando é o PCP a fazê-lo aqui d’el rei. Ou, melhor ainda, minimiza-se as posições dos comunistas portugueses. Quando isso não basta silencia-se pura e simplesmente.


As primeiras páginas dos 4 diários de maior circulação foram disso exemplo. Público, Diário de Notícias e Correio da Manhã nada. Nicles. Nepias. Zero. Nem uma fotografiazinha. O Jornal de Notícias constituiu honrosa excepção. É curioso e sintomático que os diferentes editores de diferentes periódicos tenham tomado a mesma decisão de paginação. Como é óbvio não se reuniram e puseram de acordo. Só que o mesmo padrão ideológico e o mesmo pensamento dominante, ainda que com variantes e matizes, produziram os mesmos resultados.


Quase todos os dias nos bombardeiam com generalizações abusivas sobre «a crise dos partidos». Ou/e sobre o fim da militância partidária. Ou/e sobre a falta de representação social dos partidos. Ou/e sobre a inexistência de uma oposição. O êxito desta marcha veio, goste-se ou não, compreenda-se ou não, respeite-se ou não, colocar um desmentido insofismável a todas estas teses.


Desculpem lá, mas vão ter de conviver com esta realidade: a alternativa a este «estado de coisas» em Portugal existe. Um número equivalente a cerca de 60% dos militantes do PCP (o dobro dos que estiveram presentes no comício das eleições presidenciais do Pavilhão Atlântico) expressou-o nas ruas com indesmentível orgulho e convicção.


Especialista em Sistemas de Comunicação e Informação



2008-03-03

[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]


Post a message:
This forum requires an account to post.
[ Create Account ]
[ Login ]
[ Contact Forum Admin ]


Forum timezone: GMT+0
VF Version: 3.00b, ConfDB:
Before posting please read our privacy policy.
VoyForums(tm) is a Free Service from Voyager Info-Systems.
Copyright © 1998-2019 Voyager Info-Systems. All Rights Reserved.