VoyForums
[ Show ]
Support VoyForums
[ Shrink ]
VoyForums Announcement: Programming and providing support for this service has been a labor of love since 1997. We are one of the few services online who values our users' privacy, and have never sold your information. We have even fought hard to defend your privacy in legal cases; however, we've done it with almost no financial support -- paying out of pocket to continue providing the service. Due to the issues imposed on us by advertisers, we also stopped hosting most ads on the forums many years ago. We hope you appreciate our efforts.

Show your support by donating any amount. (Note: We are still technically a for-profit company, so your contribution is not tax-deductible.) PayPal Acct: Feedback:

Donate to VoyForums (PayPal):

27/01/21 6:50:14Login ] [ Contact Forum Admin ] [ Main index ] [ Post a new message ] [ Search | Check update time | Archives: 12[3]456789 ]
Subject: Gastos inúteis na Saúde


Author:
Cristina Bernardo Silva
[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]
Date Posted: 4/07/07 8:59:04

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) é como uma barraca com uma antena parabólica topo de gama. O Estado tem falta de dinheiro para a Saúde, mas compra tecnologia cara que serve para tratar um número cada vez menor de doentes.

Especialistas ligados ao sector, contactados pelo Expresso, garantem que as melhores máquinas e medicamentos têm sido um dos principais sorvedouros de dinheiro no SNS. A poupança passa por gerir melhor a aquisição de inovação tecnológica. “Gastamos mal em tecnologias terapêuticas e do medicamento. Receitamos exageradamente”, diz o presidente da Associação Nacional de Administradores Hospitalares, Manuel Delgado. São precisas “normas de orientação de diagnóstico e terapêutica”, acrescenta o coordenador da Missão para a Reforma dos Cuidados de Saúde Primários, Luís Pisco.

A crítica vem também do bastonário da Ordem dos Médicos, Pedro Nunes: “A investigação médica é sempre mais rápida do que o crescimento da economia e é preciso ter coragem para fazer escolhas explícitas. O poder político não pode continuar a dizer que vai dar tudo a todos”. A mesma opinião é partilhada pelos bastonários dos Farmacêuticos, Aranda da Silva, e dos Enfermeiros, Maria Augusta Sousa, que defendem ser preciso tratar bem e barato. Como? Racionalizando a prescrição, com mais informação para os médicos, e combatendo o desperdício com doses ajustadas às necessidades dos doentes.

O controlo da despesa passa ainda por financiar as unidades de saúde através dos serviços efectivamente prestados. Para Pedro Lopes Ferreira, do Centro de Estudos e Investigação em Saúde da Universidade de Coimbra, há que “explorar mais a contratualização em que as partes se comprometem em obter o maior valor para o dinheiro investido”. A medida é defendida também pelo director da Escola Nacional de Saúde Pública, Constantino Sakellarides.

Os privados gerem para ter lucros e asseguram que a solução está num “sistema misto. Urge que os hospitais públicos e privados possam ser objecto da livre escolha do cidadão”, diz o presidente da Associação Portuguesa de Hospitalização Privada, Teófilo Ribeiro Leite. O economista Pedro Pita Barros simplifica a questão: “São sempre os cidadãos que pagam, de uma forma ou de outra. O problema é definir como e quanto”.

A resposta consta do relatório final da Comissão para a Sustentabilidade do Financiamento do SNS, de que Pita Barros fez parte, tornado público esta semana. A receita está na mão do ministro da Saúde, Correia de Campos, há quatro meses, mas foi mantida em segredo.

Diminuir o número de utentes isentos, aumentar as taxas moderadoras, reduzir os benefícios fiscais, retirar o financiamento público aos subsistemas e, em último recurso, criar um imposto para a Saúde são algumas das medidas polémicas preconizadas e que, pela contestação esperada, foram mantidas em segredo. Mas um canal televisivo antecipou-se e publicou o documento. Correia de Campos teve de ceder, justificando o silêncio com “o interesse em não suscitar uma discussão quando não se tinha uma noção da situação orçamental”. Contas feitas, o ministro garante agora que “não haverá mais medidas de contenção até ao final do mandato”.

[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]


Post a message:
This forum requires an account to post.
[ Create Account ]
[ Login ]
[ Contact Forum Admin ]


Forum timezone: GMT+0
VF Version: 3.00b, ConfDB:
Before posting please read our privacy policy.
VoyForums(tm) is a Free Service from Voyager Info-Systems.
Copyright © 1998-2019 Voyager Info-Systems. All Rights Reserved.