VoyForums
[ Show ]
Support VoyForums
[ Shrink ]
VoyForums Announcement: Programming and providing support for this service has been a labor of love since 1997. We are one of the few services online who values our users' privacy, and have never sold your information. We have even fought hard to defend your privacy in legal cases; however, we've done it with almost no financial support -- paying out of pocket to continue providing the service. Due to the issues imposed on us by advertisers, we also stopped hosting most ads on the forums many years ago. We hope you appreciate our efforts.

Show your support by donating any amount. (Note: We are still technically a for-profit company, so your contribution is not tax-deductible.) PayPal Acct: Feedback:

Donate to VoyForums (PayPal):

19/01/21 18:27:09Login ] [ Contact Forum Admin ] [ Main index ] [ Post a new message ] [ Search | Check update time | Archives: 1234[5]6789 ]
Subject: A "normalização" da França?


Author:
Teresa de Sousa (Público, 08.05.2007)
[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]
Date Posted: 9/05/07 12:56:15

1. Escrevia no Monde o sociólogo francês Michel Wieviorka na véspera da segunda volta das eleições presidenciais francesas: "(...) Em poucos meses, a França atravessou o rio. Ainda ontem, sociólogos e políticos falavam com toda a justiça de crise de representação ou de défice do político. Acabou. O nosso país está em vias de uma imensa mutação do seu sistema político."
Em vias. Como mandam as boas práticas da V República, falta ainda aos franceses cumprir a "terceira volta" das presidenciais para que a nova paisagem política da França se desenhe com maior clareza. Mas os contornos da mudança já estão lá todos.
A primeira volta das eleições presidenciais, com uma afluência às urnas raramente vista, começou por sinalizar a reconciliação dos franceses com a política. E acabou eliminando aquilo que de mais arcaico havia no sistema partidário francês. À esquerda, Ségolène Royal pulverizou a miríade de pequenas formações extremistas e radicais e enviou definitivamente o Partido Comunista para o museu (Marie--George Buffet obteve 1,9 por cento dos votos). Fechou um ciclo, que começou com François Mitterrand e o seu "programa comum da esquerda" e que passou pela "esquerda plural" de Jospin. Abriu outro, que falta ainda concluir, mas que passará inexoravelmente pela social-
-democratização do PSF.
Do outro lado, a direita descomplexada de Sarkozy desferiu, acreditam quase todos os analistas, a machadada fatal na extrema-direita xenófoba de Jean-Marie le Pen. Escreve também Wieviorka que, mesmo que se possa falar de "lepenização" do discurso da direita, o que é duvidoso, Sarkozy conseguiu reconciliar uma parte significativa do eleitorado da Frente Nacional com a direita democrática. Acrescenta Jean-Marie Colombani no Monde: " A grande mudança política do período que agora se abre traduz-se no sucesso da estratégia de Sarkozy, que visou e que conseguiu captar o eleitorado de extrema-direita". E acrescenta: "Repetição à direita do que foi para a esquerda a estratégia de Mitterrand face ao Partido Comunista".
Digamos que este esvaziamento das amplas margens anti-sistema que desfiguravam a paisagem política francesa acabou por criar ao centro um espaço de resistência que deu a François Bayrou mais de 18 por cento do eleitorado na primeira volta e lhe dá agora a ambição de se transformar na terceira força do sistema partidário francês. Falta fazer a prova nas legislativas de que se trata de um fenómeno para durar e não de uma mera via de passagem.
2. Mas não foi este apenas o mérito de Nicolas Sarkozy nem sequer a única explicação para a sua vitória. O facto de ter começado mais cedo e de forma mais sistemática a renovação do partido gaullista é, para muitos analistas franceses, de direita como de esquerda, a chave para a explicação do que aconteceu na noite de domingo. Fê-lo com coerência, sem concessões, correndo riscos, desde que conquistou a liderança da UMP de Chirac em 2004. Transformou o velho partido gaullista num "grande partido popular, moderno", escreve Wieviorka. Conservador nos valores, liberal na economia, mais aberto ao mundo, um pouco à imagem dos tories britânicos da era pós-Blair.
Sarkozy foi o primeiro líder neogaullista "a apresentar-se de direita sem complexos", ultrapassando os traumas deixados pela guerra" na direita democrática francesa, escreve Thierry Wolton, no Figaro. "A direita desembaraçou-
-se do seu fardo histórico" obrigando, ao mesmo tempo, "os seus adversários a rever as suas estratégias, se quiserem vir a pesar no curso dos acontecimentos". Recuperou os velhos valores tradicionais do trabalho, da autoridade e da ordem, colocando-os no coração da sua campanha. Colocou pela primeira vez a esquerda na defensiva no que respeita aos valores morais (daí, a insistência nos ataques desferidos contra o Maio de 68). Fez as pazes com o liberalismo económico (mesmo que na sua versão francesa), transformando-se no principal factor de mudança, e foi isso que os eleitores compensaram.
São, aliás, vários os analistas que se deixam tentar pela tese de que, como Blair precisou de Thatcher ou Clinton de Reagan, também a esquerda socialista francesa vai precisar de Sarkozy para se renovar. Escreve de novo Wolton: "A experiência das outras democracias prova que uma direita forte e assumida favorece uma esquerda reformada e reformadora".
3. A derrota de Ségolène significa, pelo menos, "que a esquerda entrou atrasada nesta era da renovação política", escreve de novo Wieviorka. "Se quiser governar a França, não lhe resta outro caminho senão transformar-se num partido social-democrata." Pós-ideológico, pragmático e moderno. Royal iniciou o percurso impondo a sua candidatura ao PSF graças ao apoio popular. Iniciou uma reforma dos valores e da forma de fazer política, mas faltou-lhe um programa coerente no domínio das reformas económicas e sociais para contrapor a Sarkozy. Todos os estudos de opinião o demonstraram: foi nesse domínio que a candidata mais falhou o teste da credibilidade. Deu alguns sinais de abertura, mas rapidamente se entrincheirou nas velhas fórmulas da esquerda francesa sobre o intervencionismo do Estado e sobre a engenharia social (a defesa das 35 horas). Apesar da derrota, haverá alguém, melhor do que ela, para encarnar o desejo de mudança da esquerda francesa? Provavelmente não.
Ver-se-á com que (velho?) rosto e com que programa o PSF se vai apresentar nas eleições legislativas. A verdadeira renovação terá, no entanto, de começar depois delas. E aí há que contar com o factor Bayrou e com o seu novo "movimento democrático". Se Bayrou apostar numa "terceira força" nem à esquerda nem à direita, como tudo parece indicar, a sua sobrevivência pode não ser fácil. Se, pelo contrário, se posicionar como uma força de centro-
-esquerda, então poderá vir a funcionar como um estímulo para a modernização dos socialistas.

[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]

Replies:
Subject Author Date
Os resultados da primeira voltaFernando Penim Redondo 9/05/07 13:06:47
Ou a França a contra-pé? Com vai sendo costume. Olham tanto para o umbigo.Observador divertido e com pachorra 9/05/07 22:24:54


Post a message:
This forum requires an account to post.
[ Create Account ]
[ Login ]
[ Contact Forum Admin ]


Forum timezone: GMT+0
VF Version: 3.00b, ConfDB:
Before posting please read our privacy policy.
VoyForums(tm) is a Free Service from Voyager Info-Systems.
Copyright © 1998-2019 Voyager Info-Systems. All Rights Reserved.