VoyForums
[ Show ]
Support VoyForums
[ Shrink ]
VoyForums Announcement: Programming and providing support for this service has been a labor of love since 1997. We are one of the few services online who values our users' privacy, and have never sold your information. We have even fought hard to defend your privacy in legal cases; however, we've done it with almost no financial support -- paying out of pocket to continue providing the service. Due to the issues imposed on us by advertisers, we also stopped hosting most ads on the forums many years ago. We hope you appreciate our efforts.

Show your support by donating any amount. (Note: We are still technically a for-profit company, so your contribution is not tax-deductible.) PayPal Acct: Feedback:

Donate to VoyForums (PayPal):

10/12/19 16:51:27Login ] [ Contact Forum Admin ] [ Main index ] [ Post a new message ] [ Search | Check update time | Archives: 1234567[8]9 ]
Subject: Fundamentalismos pacóvios


Author:
Jorge Messias
[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]
Date Posted: 13/01/07 9:44:20



Fundamentalismos pacóvios

“O engenheiro Sócrates, um grande ficcionista da Globalização, contou de novo ao povo português a parábola das suas realizações como primeiro-ministro. A economia caminha com segurança, a passo de caracol. Tão vagarosamente vai que nem sequer se nota o seu andar”



Para quem já se tenha esquecido da expressão pacóvio, esclareça-se que encerra um grande número de componentes nela subentendidos, tais como parvo, parolo, pateta, toleirão, etc. Pacóvio é todo aquele que se prende a uma visão de um passado congelada no tempo e a transforma numa fantasia que tenta transmitir aos outros, com a intenção deliberada de os convencer e enganar. Isto, por entre imagens de uma auto-estima ilimitada e exibindo a máscara da convicção. O verdadeiro pacóvio político é essencialmente um contador de histórias inventadas cuja intenção é induzir em erro os que o escutam. Vem isto a propósito de casos exemplares recentemente ocorridos na quadra do Natal. Uns, na área fundamentalista da governação; outros, com a assinatura e timbre de altos prelados da Igreja.

Mas há remédio para este contratempo. Para acelerar o passo, basta entregar o que resta do Estado à Igreja e ao grande capital financeiro. O ensino, a saúde, a comunicação, a segurança social, têm de passar para o domínio da sociedade civil (da Igreja), dos ATL das instituições de solidariedade privadas (da Igreja), das Misericórdias (da Igreja), dos hospitais particulares (da Igreja), das creches e infantários (da Igreja), etc., etc. Simultaneamente, o governo socialista(!) rende-se à estética da ética do dinheiro e da caridade e atribui, em cada dia que passa, novos privilégios aos grandes apóstolos da filantropia, tais como o J.P. Morgan (Rockefeller mais a Santa Sé) ou o famoso Rendeiro (Banco Privado Português, Ellipse Foundation, Bill Clinton e um grupo de 110 importantes empresários que detêm 40% do PIB nacional e cujo objectivo central é a anexação de toda a área da Educação e do pré-escolar, amarrando as escolas ao poder empresarial. O Governo de Sócrates já manifestou o seu total apoio a este lobby que surge a pretexto de ser uma espontânea e fulminante resposta da sociedade civil ao apelo de Cavaco Silva na luta contra a exclusão. Declara o capitalista Rendeiro: «Quero fazer parte da turma do bem!». É a ligação à doutrina da igreja. Palavras comovedoras mas que não convencem...

O fundamentalismo relativo aos bispos

De momento, a igreja não dá a cara neste negócio. Por pouco tempo será. A sua presença já é mais que evidente na Saúde, na Educação, na Segurança Social, nas Finanças, na Justiça. E ao contrário do que possa parecer, os bispos só são rígidos e dogmáticos em relação ao povo pequeno. Outro é o seu discurso quando falam com amigos, sócios ou aliados da Igreja.
Ergue-se agora o pano de boca do grande espectáculo da cantata do aborto. Os bispos tinham dito que não falavam mas lá nos vão abrindo os seus corações. É o que é próprio da sua natureza!

Na Mensagem de Natal, o cardeal-patriarca alinhou na equipa de Rendeiro e preferiu falar na luta contra a exclusão social. Mas lá foi dizendo de sua justiça: «Sejam quais forem os motivos, abortar é sempre negar o lugar a um ser humano». Trata-se, portanto, de um delito grave que a igreja pode punir com a exclusão. Curiosa contradição de D. José que luta contra a exclusão e nela se apoia.

Depois, desfilam pelo palco os outros bispos, numa apurada afinação. «A IVG representa o regresso ao tempo dos expostos, dos meninos da Roda dos Mosteiros da Idade Média», considerou D. João Miranda, bispo do Porto. «A hierarquia deixou clara, em vários pronunciamentos, a posição da Igreja de rejeição absoluta do aborto», declarou D. Manuel Clemente, bispo auxiliar de Lisboa. «O que neste momento está em questão não é termos consideração por uma mulher que decide abortar... é olharmos para a realidade de um ser vivo que poderia ter uma vida e deixou de a ter», afirmou D. Jorge Ortiga, arcebispo de Braga. D. Manuel Franco Falcão, Bispo Emérito de Beja, já tinha definido os quadros do dogma: «Aborto. O delito e a pena. É a morte do feto no seio materno ou fora dele, independentemente do tempo de gestação».

Por aqui se vê qual é o panorama que a igreja coloca ao próximo referendo. Os resultados da consulta apenas serão importantes como índices da sujeição ou da rejeição popular da Doutrina da Fé.

Aliás, a par do desenvolvimento da campanha, é curioso observar-se como se está a constituir, entre o episcopado e a sociedade civil, um forte movimento que branqueia a imagem de Ratzinger, esquece o que ele foi e o entroniza como patrono da doutrina social e firme condutor das almas.

Fiquemos atentos a todos estes sinais

[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]


Post a message:
This forum requires an account to post.
[ Create Account ]
[ Login ]
[ Contact Forum Admin ]


Forum timezone: GMT+0
VF Version: 3.00b, ConfDB:
Before posting please read our privacy policy.
VoyForums(tm) is a Free Service from Voyager Info-Systems.
Copyright © 1998-2019 Voyager Info-Systems. All Rights Reserved.