VoyForums
[ Show ]
Support VoyForums
[ Shrink ]
VoyForums Announcement: Programming and providing support for this service has been a labor of love since 1997. We are one of the few services online who values our users' privacy, and have never sold your information. We have even fought hard to defend your privacy in legal cases; however, we've done it with almost no financial support -- paying out of pocket to continue providing the service. Due to the issues imposed on us by advertisers, we also stopped hosting most ads on the forums many years ago. We hope you appreciate our efforts.

Show your support by donating any amount. (Note: We are still technically a for-profit company, so your contribution is not tax-deductible.) PayPal Acct: Feedback:

Donate to VoyForums (PayPal):

9/12/19 6:24:58Login ] [ Contact Forum Admin ] [ Main index ] [ Post a new message ] [ Search | Check update time | Archives: 12345678[9] ]
Subject: A Fuga de Caxias foi há 45 anos


Author:
Avante
[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]
Date Posted: 9/12/06 10:45:24

A Fuga de Caxias foi há 45 anos
Dedicação à prova de bala

Há 45 anos, no dia 4 de Dezembro de 1961, oito destacados militantes comunistas evadiram-se do Reduto Norte da prisão de Caxias num carro blindado, perante o olhar impotente dos carcereiros. Realizada em poucos segundos e apenas com recursos do interior da prisão, tratou-se de uma das mais audaciosas fugas dos cárceres fascistas.

«Golo!» O grito de José Magro ecoou pelo pátio da prisão de Caxias na manhã do dia 4 de Dezembro de 1961, à hora do recreio dos presos. Era o sinal combinado: em menos de cinco segundos, sete presos comunistas entram num carro blindado que estava parado no pátio. Ao volante encontrava-se um outro recluso, que muitos julgavam «rachado». Os guardas, apanhados de surpresa, demoraram a reagir.
Com os oito homens dentro do carro, este arranca em direcção ao portão principal, que não resiste ao embate e cede. Dez segundos depois, o carro está fora da prisão e ruma à auto-estrada, sob os disparos da GNR. Chegados a Lisboa, a viatura é abandonada e os seus ocupantes refugiam-se em casas seguras.
Entre o momento de entrada dos fugitivos para o carro e a entrada na auto-estrada passaram apenas 65 segundos. Mas a fuga de Caxias não foi fruto da sorte ou da improvisação. Foi, sim, o resultado de uma intensa preparação e audácia e da vontade inabalável de retomar a luta antifascista que fervilhava para lá dos altos muros da fortaleza de Caxias.

O falso «rachado» e o carro blindado

A fuga de 4 de Dezembro culminou um longo e intenso processo de estudo de possibilidades de evasão. Umas atrás das outras, foram sendo inviabilizadas pelas frequentes alterações na composição das salas destinadas aos funcionários do Partido e nas normas de funcionamento interno da cadeia. Com a fuga de Peniche, em Janeiro do ano anterior, a segurança aumentou. A evasão era cada vez mais difícil.
Era necessário fazer o reconhecimento do Forte e estudar as possibilidades de fuga. Mas como consegui-lo? José Magro, dirigente do Partido com largos anos de cativeiro, encarrega António Tereso de uma difícil missão: explorar as hipóteses de evasão. Mas para isso, teria de fazer-se passar por «rachado», fingindo que se tinha passado para o lado dos carcereiros e sujeitando-se ao desprezo dos seus camaradas.
A operação era delicada e o sigilo teria de ser absoluto. Tereso resiste, mas acaba por aceitar. A dedicação ao Partido justificava o sacrifício. A cada dia que passa, o falso «rachado» vai ganhando habilmente a confiança dos guardas e da direcção da prisão. Desta forma, conquista uma liberdade de movimentos rara para um prisioneiro. É graças a ela que descobre, na garagem da cadeia, um carro blindado pertencente ao próprio Salazar. Estava ali a oportunidade desejada.

Uma corrida contra o tempo

Sempre em contacto com a Direcção do Partido no interior da prisão, António Tereso começa a preparar a fuga, que se torna numa verdadeira corrida contra o tempo. À beira de sair em liberdade e com os restantes camaradas com penas atribuídas e em vias de serem transferidos para Peniche, teve que acelerar os preparativos.
Num curto espaço de tempo, era necessário pôr o carro a funcionar, tornar normal a sua utilização e circulação pela cadeia e estudar a forma de o fazer chegar ao fosso interior, o único local a que os restantes presos poderiam ter acesso. Tudo isto foi feito com invulgar mestria.
Enquanto isso, a Direcção do Partido na prisão debatia os pormenores da fuga. A data foi decidida: 4 de Dezembro. Os participantes na fuga são colocados ao corrente do plano. Tereso aproveita ainda para sabotar os restantes carros, de forma a evitar qualquer perseguição.

Uma manhã aparentemente igual às outras

Às 8.30 horas da manhã do dia 4 de Dezembro de 1961, os dez reclusos da sala 2, todos quadros clandestinos do Partido são avisados, como normalmente acontecia, para se prepararem para o recreio. Eram nove horas quando os comunistas são conduzidos ao Fosso Interior por um guarda prisional. Começava o recreio de meia hora sob a vigilância directa de três guardas da GNR, armados com espingardas, e por guardas da cadeia. Aparentemente, tratava-se de uma manhã normal…
Pouco depois, com o plano de fuga já em marcha, o recreio foi interrompido. Uma carrinha da PIDE vem recolher para interrogatório alguns presos que se encontravam nas casamatas existentes no local onde se iria desenrolar a fuga. Entretanto, António Tereso, que havia recebido o sinal a partir da sala 2 que se ia iniciar o recreio, dirige-se ao túnel que liga ao Fosso Interior e certifica-se que os presos que iam fugir já estavam no recreio. Com o carro em marcha atrás, dirige-se para o túnel, tarefa difícil dada a largura do carro quase coincidir com a do portão.
Às 9.34 horas, a cinco minutos do fim do intervalo, o carro é colocado no centro do Fosso Interior. Os presos ladeiam o carro, em conformidade com as portas previamente distribuídas para a entrada dos dois grupos em que se dividiam os fugitivos. Os guardas não estranham a presença do carro. Um grito ecoa pelo pátio: «Golo!»

[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]


Post a message:
This forum requires an account to post.
[ Create Account ]
[ Login ]
[ Contact Forum Admin ]


Forum timezone: GMT+0
VF Version: 3.00b, ConfDB:
Before posting please read our privacy policy.
VoyForums(tm) is a Free Service from Voyager Info-Systems.
Copyright © 1998-2019 Voyager Info-Systems. All Rights Reserved.