VoyForums
[ Show ]
Support VoyForums
[ Shrink ]
VoyForums Announcement: Programming and providing support for this service has been a labor of love since 1997. We are one of the few services online who values our users' privacy, and have never sold your information. We have even fought hard to defend your privacy in legal cases; however, we've done it with almost no financial support -- paying out of pocket to continue providing the service. Due to the issues imposed on us by advertisers, we also stopped hosting most ads on the forums many years ago. We hope you appreciate our efforts.

Show your support by donating any amount. (Note: We are still technically a for-profit company, so your contribution is not tax-deductible.) PayPal Acct: Feedback:

Donate to VoyForums (PayPal):

25/02/24 18:23:51Login ] [ Contact Forum Admin ] [ Main index ] [ Post a new message ] [ Search | Check update time | Archives: 123456789 ]
Subject: AS RELAÇÕES CAPITAL/TRABALHO


Author:
António Vilarigues
[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]
Date Posted: 9/10/07 2:38:45

AS RELAÇÕES CAPITAL/TRABALHO



Concretizou-se, nestes últimos trinta anos, uma evolução nas relações capital/trabalho, profundamente desfavorável aos trabalhadores. Quer na distribuição dos rendimentos, quer no plano legislativo. Exemplos claros são as políticas de salários e fiscal. A legislação laboral e as condições laborais. Os contratos a prazo e o trabalho precário. A lei dos despedimentos e a negociação colectiva. Os direitos orgânicos nas limitações às liberdades sindicais e aos direitos das comissões de trabalhadores. O controlo de gestão.


1. Com o 25 de Abril de 1974 foram melhorados os salários, criado o salário mínimo nacional (SMN) e ampliadas as prestações da segurança social. Segundo cálculos então efectuados, foram abrangidos pelo estabelecimento do SMN cerca de metade dos trabalhadores. E este facto teve uma expressão ainda mais elevada no que se refere às mulheres trabalhadoras – 78%.


A repartição do rendimento entre capital e trabalho alterou-se profundamente a favor dos trabalhadores. A contratação colectiva, fixando não só os salários mas as condições de trabalho em geral, desenvolveu-se numa perspectiva sectorial e vertical. As convenções abrangiam todos ou a grande maioria dos trabalhadores.


Este quadro modificou-se profundamente ao longo do tempo. Sobretudo pela persistência de uma especialização produtiva baseada em produções de baixo valor acrescentado e pela natureza das políticas económicas. A parte dos salários no rendimento nacional, que atingiu os 59% em 1975, era de 40% em 2004.


As desigualdades salariais são muito elevadas. Portugal, com um factor 8,2 (2005), tem o maior leque salarial da União Europeia (U.E.) a 25. Em 2004 12,2% dos assalariados trabalhando a tempo completo recebia menos de 2/3 do ganho mediano. Este dado constitui uma indicação da incidência da pobreza laboral. Segundo o mais recente estudo sobre a «Pobreza em Portugal», 40% dos pobres são trabalhadores por conta própria ou por conta de outrem. Um em cada quatro assalariados a tempo inteiro vive com um salário de base próximo do SMN (até 15% acima deste salário). Esta realidade demonstra à saciedade que em Portugal se empobrece a trabalhar.


São mais atingidos alguns sectores de serviços (como os serviços sociais), o alojamento e restauração. Mas também algumas actividades industriais (como as indústrias têxteis, de vestuário e de calçado, por exemplo). O salário mínimo afastou-se progressivamente do salário médio. Passou de 68% em 1981 para menos de 50% em 2004. No outro extremo da escala, uma minoria de quadros superiores aufere ganhos, regalias e pagamentos em espécie, extremamente elevados. Por vezes superiores ou correspondentes aos da U.E.. Sublinhe-se que uma parte destes rendimentos não é declarada.


2. Os sucessivos governos têm apostado num modelo de desenvolvimento assente nos baixos salários e no baixo nível de escolaridade e de qualificação. As consequências estão à vista. Cerca de 71% da população empregada dispõe do ensino básico ou menos. Apenas 9,9% da população portuguesa têm a escolaridade de nível superior. Igualmente significativo é o facto de os novos patrões, surgidos na década de 90 em Portugal, terem, em média, apenas 7,7 anos de escolaridade.


Comparativamente à média da U.E. a 25, a fracção da população portuguesa com o ensino secundário completo é 2,6 vezes inferior. Por outro lado a taxa de retenção e abandono precoce nos Ensinos Básico e Secundário era de 46% em 2004. A maior de toda a U.E.. São estas e não outras, as principais causas do atraso estrutural do País.


O «Inquérito aos Orçamentos Familiares 2000» realizado pelo INE revelou uma correlação positiva entre o «grau de instrução do representante do agregado familiar» e «receitas médias líquidas anuais» do agregado familiar. De acordo com o INE, em 2006, o salário médio mensal de um trabalhador com o ensino básico era apenas de 565 euros. Mas com o ensino secundário e pós-secundário atingia os 758 euros. E com o ensino superior fixava-se nos 1355 euros.


3. E depois de uma vida inteira de trabalho como é? Em 2006, cerca de 83% dos reformados viviam com menos de um SMN por mês. Já 42% viviam com pensões inferiores a 300 euros (ou seja, 1 milhão e 100 mil reformados). O valor da pensão média das mulheres era 59,8% inferior à dos homens. E, no entanto, entre 1975 e 2004, a riqueza criada por trabalhador cresceu 41 vezes (o PIB por trabalhador subiu de 640 euros para 26 300 euros). Não obstante neste período ter baixado 2,3 vezes o número de activos por pensionistas.



Podemos concluir que significativos retrocessos sociais acompanharam as políticas dos sucessivos governos. A precarização das relações de trabalho. O debilitamento da regulação contratual. A secundarização no discurso político do objectivo do pleno emprego. O elevado grau de inefectividade das normas. A inserção desfavorável dos jovens no emprego. A discriminação das mulheres trabalhadoras. O enfraquecimento da legislação da protecção do emprego.


Nota final: registe-se que a remuneração MÉDIA de cada um dos nove membros do conselho de administração do Banco Comercial Português (salário fixo+salário variável+fundo de pensões) representou, em 2005, 320.762 (trezentos e vinte mil setecentos e sessenta e dois) euros/mês vezes catorze (ver as fontes e os detalhes em http://ocastendo.blogs.sapo.pt/51071.html). Em 2006 a verba em causa atingiu os 259.214 (duzentos e cinquenta e nove mil duzentos e catorze) euros/mês. Ou seja, 650 SMN. Esta realidade parece não inibir alguns destes administradores de defenderem publicamente a necessidade de contenção dos salários dos trabalhadores portugueses…


Especialista em Sistemas de Comunicação e Informação
2007-09-28
António Vilarigues

[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]


Post a message:
This forum requires an account to post.
[ Create Account ]
[ Login ]
[ Contact Forum Admin ]


Forum timezone: GMT+0
VF Version: 3.00b, ConfDB:
Before posting please read our privacy policy.
VoyForums(tm) is a Free Service from Voyager Info-Systems.
Copyright © 1998-2019 Voyager Info-Systems. All Rights Reserved.