VoyForums
[ Show ]
Support VoyForums
[ Shrink ]
VoyForums Announcement: Programming and providing support for this service has been a labor of love since 1997. We are one of the few services online who values our users' privacy, and have never sold your information. We have even fought hard to defend your privacy in legal cases; however, we've done it with almost no financial support -- paying out of pocket to continue providing the service. Due to the issues imposed on us by advertisers, we also stopped hosting most ads on the forums many years ago. We hope you appreciate our efforts.

Show your support by donating any amount. (Note: We are still technically a for-profit company, so your contribution is not tax-deductible.) PayPal Acct: Feedback:

Donate to VoyForums (PayPal):

25/02/24 22:51:12Login ] [ Contact Forum Admin ] [ Main index ] [ Post a new message ] [ Search | Check update time | Archives: 123456789 ]
Subject: Voracidade


Author:
Ignacio Ramonet
[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]
Date Posted: 9/11/07 10:51:04



Voracidade



Ignacio Ramonet

Le Monde diplomatique



Ao mesmo tempo que, contra o horror económico, o discurso crítico – a que durante algum tempo se chamou alterglobalista – se enreda e de repente se torna inaudível, vai-se instalando um novo capitalismo, ainda mais brutal e conquistador: o de uma nova categoria de fundos de rapina, as private equities, fundos de investimento rapaces, com apetites desmesurados e detentores de capitais gigantescos [1].



Os nomes destes titãs – The Carlyle Group, Kohlberg Kravis Roberts & Co (KKR), The Blackstone Group, Colony Capital, Apollo Management, Starwood Capital Group, Texas Pacific Group, Wendel, Eurazeo, etc. – continuam a ser pouco conhecidos do grande público. E graças a esta discrição estão a apoderar-se da economia mundial. Em quatro anos, de 2002 a 2006, o montante dos capitais obtidos por estes fundos de investimento, que colectam o dinheiro dos bancos, dos seguros, dos fundos de pensões, e os haveres de riquíssimos particulares, passou de 94 mil milhões de euros para 358 mil milhões… O seu poder de fogo financeiro é fenomenal, ultrapassando 1,1 biliões de euros. Nada lhes resiste. O ano passado, nos Estados Unidos, as principais private equities investiram cerca de 290 mil milhões de euros na aquisição de empresas, e mais de 220 mil milhões só no primeiro semestre de 2007, passando assim a controlar 8000 empresas… Actualmente, um em cada quatro assalariados norte-americanos e quase um em cada doze franceses trabalham já para estes mastodontes [2].



França tornou-se aliás, depois do Reino Unido e dos Estados Unidos, o seu primeiro alvo. O ano passado, em território francês, estes fundos apoderaram-se de 400 empresas (por um montante de 10 mil milhões de euros) e já gerem ali mais de 1600. Marcas muito conhecidas – Picard, Dim, os restaurantes Quick, Buffalo Grill, Les Pages Jaunes, Allociné ou Afflelou – são agora controladas por private equities, quase todas anglo­‑saxónicas, que já estão de olhos postos nos gigantes do índice CAC 40.



O fenómeno destes fundos rapaces surgiu há uns quinze anos, mas nos últimos tempos, estimulado pelo crédito barato e graças à criação de instrumentos financeiros cada vez mais sofisticados, tem vindo a adquirir uma amplitude preocupante. Porque o princípio é simples: um clube de investidores afortunados decide adquirir empresas, que depois gere de forma privada, longe da Bolsa e das suas regras constrangedoras, e sem ter de prestar contas a accionistas minuciosos [3]. A ideia consiste em contornar os próprios princípios da ética do capitalismo, apostando apenas nas leis da selva.



Concretamente, como no-lo explicam dois especialistas, as coisas passam-se assim: «Para adquirir uma sociedade que vale 100, o fundo aplica 30 do seu bolso (percentagem média) e os restantes 70 pede­‑os emprestados aos bancos, aproveitando as muito baixas taxas de juro do momento. Durante três ou quatro anos reorganiza a empresa com a direcção em funções, racionaliza a produção, desenvolve actividades e capta a totalidade ou parte dos lucros para pagar os juros… da sua própria dívida. Depois revende essa mesma empresa por 200, com frequência a um outro fundo, que irá fazer a mesma coisa. Reembolsados os 70 obtidos a crédito, ficam com 130 no bolso, por um investimento inicial de 30, obtendo assim mais de 300 por cento de taxa de retorno sobre o capital investido em quatro anos. Haverá melhor?» [4]



Ao mesmo tempo que pessoalmente ganham fortunas demenciais, os dirigentes destes fundos praticam doravante, sem sentimentalismos, os quatro grandes princípios da “racionalização” de empresas: reduzir o emprego, comprimir os salários, aumentar os ritmos de produção e deslocalizar. São nisso estimulados pelas autoridades públicas, as quais, como em França hoje em dia, sonham “modernizar” o aparelho de produção. E fazem­‑no em detrimento e para desespero dos sindicatos, que denunciam vigorosamente o pesadelo e o fim do contrato social. Havia quem pensasse que com a globalização o capitalismo estaria por fim saciado. Vê­‑se porém agora que a sua voracidade não tem limites. Até quando?



______

[1] Frédéric Lordon, O mundo refém do poder financeiro, Le Monde diplomatique, Setembro de 2007.

[2] Sandrine Trouvelot e Philippe Eliakim, “Les fonds d’investissement, nouveaux maîtres du capitalisme mondial”, Capital, Paris, Julho de 2007.

[3] Philippe Boulet-Gercourt, “Le retour des rapaces”, Le Nouvel Observateur, Paris, 19 de Julho de 2007.

[4] Cf. Capital, op. cit.

[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]


Post a message:
This forum requires an account to post.
[ Create Account ]
[ Login ]
[ Contact Forum Admin ]


Forum timezone: GMT+0
VF Version: 3.00b, ConfDB:
Before posting please read our privacy policy.
VoyForums(tm) is a Free Service from Voyager Info-Systems.
Copyright © 1998-2019 Voyager Info-Systems. All Rights Reserved.