VoyForums
[ Show ]
Support VoyForums
[ Shrink ]
VoyForums Announcement: Programming and providing support for this service has been a labor of love since 1997. We are one of the few services online who values our users' privacy, and have never sold your information. We have even fought hard to defend your privacy in legal cases; however, we've done it with almost no financial support -- paying out of pocket to continue providing the service. Due to the issues imposed on us by advertisers, we also stopped hosting most ads on the forums many years ago. We hope you appreciate our efforts.

Show your support by donating any amount. (Note: We are still technically a for-profit company, so your contribution is not tax-deductible.) PayPal Acct: Feedback:

Donate to VoyForums (PayPal):

25/02/24 17:49:25Login ] [ Contact Forum Admin ] [ Main index ] [ Post a new message ] [ Search | Check update time | Archives: 123456789 ]
Subject: O que é ser comunista


Author:
aton (Público 07.11.2007)
[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]
Date Posted: 14/11/07 22:49:12

Ser comunista, hoje, é lutar contra a injustiça social; é acreditar no fim do Estado; é querer o fim da luta de classes; é acreditar na igualdade entre todos; é querer o fim da exploração da humanidade; é acabar com a propriedade. Marx, para alguns, ainda está vivo, até nas universidades americanas. Mas 90 anos depois, nada disto pode ser separado da democracia. Porque não se pode ver a floresta sem se ver as árvores, todas e cada uma. Por São José Almeida

Noventa anos depois da revolução russa e quase uma década passada sobre a queda do Muro de Berlim, fará sentido falar em comunismo? Ainda há quem queira ser comunista? E o que é ser comunista hoje?

Dois militantes do Partido Comunista Português (PCP), Ruben de Carvalho e Urbano Tavares Rodrigues, dizem simplesmente que ser comunista é ser do partido. Mas Ruben de Carvalho, membro do Comité Central, lembra que até o PCP, vulgarmente identificado com o modelo soviético, já fez a sua crítica e demarcação do regime instaurado com a vitória dos partidários de Lenine.
Comunismo é indissociável da democracia e passa pela rejeição do regime soviético, diz Francisco Louçã, líder do Bloco de Esquerda (BE), que juntamente com o PCP integra o grupo de partidos com assento parlamentar que se assumem como herdeiros do comunismo. "Hoje, só se pode ser comunista a partir de uma rejeição profunda do que foi a herança do comunismo na URSS, que foi um projecto conspurcado, uma tragédia", defende este ex-trotskista.
O líder máximo do PCP, Jerónimo de Sousa, não quis falar sobre o que é ser comunista hoje. Adiou a resposta ao longo do mês de Outubro e acabou por alegar problemas de agenda.
Comunismo e democracia
Louçã insiste que só em democracia se pode ser comunista: "Defendendo a organização da sociedade com liberdade de expressão, liberdade sindical. A censura é incompatível com a liberdade."
Comunismo é liberdade, diz a escritora, Maria Teresa Horta, ex-militante do PCP. "Comunismo implica democracia, mas não a democracia que temos hoje. É mais. Ser comunista tem de ser compatível com a igualdade, com o feminismo, com a igualdade de género."
Mas se hoje já parece consensual que não há comunismo sem democracia, para os comunistas foi sempre consensual que o objectivo do comunismo é o fim do Estado.
"Comunismo é o fim do Estado e o fim da luta de classes, homens a viverem de bem uns com os outros", diz o escritor Urbano Tavares Rodrigues. O eurodeputado Miguel Portas, dirigente do BE e ex-militante do PCP, explicita: "Sou comunista no sentido em que aspiro a uma sociedade sem Estado e onde os conflitos entre seres humanos não sejam arbitrados por uma forma estatal." Auto-regulação da sociedade em igualdade é a ideia que elege Maria Teresa Horta: "Em liberdade e com tolerância. Não se pode ver a floresta sem se ver as árvores, todas e cada uma."
Hoje, faz sentido ser comunista porque os ideólogos ainda não inventarem uma coisa mais interessante, diz a ensaísta Eduarda Dionísio. No seu ideal, seria assim, parafraseando Marx: "A cada um segundo as suas necessidades, de cada um segundo as suas capacidades. Para mim, o principal é o fim da propriedade."
Para alguém que nunca se aproximou do PCP, como o encenador Jorge Silva Melo, o que lhe interessa são mesmo os vencidos do comunismo: Rosa de Luxemburgo, Bukharine, Gramsci e, em Portugal, os que saíram do PCP até 1954. "O que me interessa é a dialéctica. Assim como no catolicismo interessa-me tudo o que vem de Francisco de Assis, a sublevação dos pobres, o confronto entre Assis e Loyola, os jesuítas são os bolcheviques da Igreja. Aquilo que começa em 1848, a história da revolta urbana, é a minha história."
A questão social
O que esteve na origem da criação do ideário comunista? A pergunta é do filósofo João Maria de Freitas Branco, ex-militante do PCP. "Foram a injustiça social, as desigualdades na distribuição da riqueza e a exploração dos homens pelos outros homens." Para questionar de novo: "Alguma destas questões deixou de estar na ordem do dia? Será que a riqueza é hoje distribuída de forma mais justa? O fosso entre pobres e ricos reduziu-se drasticamente?" E remata: "A resposta parece-me óbvia e a minha resposta é, em letras maiúsculas, SIM."
Ruben de Carvalho diz que as questões são as mesmas de há cem anos e esses cem anos demonstram que a luta produz resultados. "Pelo menos não há, na Europa, crianças de oito anos nas minas a empurrar vagonetes."
Ainda há vanguarda?
Já o historiador Zé Neves, que terminou a sua tese de doutoramento sobre Comunismo e Nacionalismo em Portugal no Século XX e é ex-militante do PCP, dissocia hoje o comunismo de um conceito clássico no marxismo, o da necessidade de existir uma vanguarda política que conduza a transformação da sociedade. "Depois de 1990 [queda do Muro de Berlim], o comunismo deve discutir o poder não centralizado, que rompa com a prática vanguardista centralizada. A política tem de ser comum, contra a vanguarda. Comunismo deixa de ser um projecto histórico, enquanto poder."
Hoje, "o comunismo remete para a ideia de comunidade e de comunicação, de as pessoas terem poder todas elas", prossegue Zé Neves. O que "implica uma ruptura com a democracia representativa e a recusa da ideia de elite", explicando que "o antagonismo entre burguesia e proletariado é substituído pelo de elites e de massas". Precisamente, o "comunismo é a recusa da ideia de elite, da ideia de estrutura, de hierarquia", diz Zé Neves. E conclui: "O problema não é ter elites corruptas e prepotentes, a questão é não haver elites, a corrupção está em haver dirigentes e dirigidos. Há que cortar com a ideia de elites comunistas, o comunismo deve romper com o vanguardismo e ir-se construindo pelo comum."
Opinião diversa tem Freitas Branco, para quem a vanguarda continua a ser necessária. "Marx disse-nos claramente: "O comunismo é para nós um estado" [A Ideologia Alemã]. Ser comunista é simplesmente acreditar num movimento real, que materializa uma mudança. O comunista é aquele que acredita que o sistema em que vivemos não é em si um sistema último e definitivo. Qualquer sistema económico e político evolui para outra coisa."
Convicto de que a história não pára e a sociedade evolui, Freitas Branco adverte sobre a necessidade de existirem elites comunistas que façam a crítica da democracia tal como ela está organizada: "Uma questão de fundo que me preocupa e verifico, quase segundo a segundo, é esta expansão de uma cultura de mentira ou de cultura de ilusão. O homem, sabemo-lo, é um animal que mente e que sabe mentir. Há circunstâncias em que mente muito bem. E quando falamos de política vemos o triunfo de candidatos democráticos, assim retratados e muitas vezes todos alicerçados na mentira." Exemplificando o que entende por mentira, Freitas Branco refere: "No caso do comunismo, diz-se que a União Soviética e o Leste foram comunistas, é mentira, nunca houve países comunistas. Diz-se que Marx morreu. É um facto que morreu. Está sepultado. Mas no sentido em que é dito, é uma mentira empobrecedora, porque viramos as costas a um grande pensador. Quando se vê académicos a dizer que Marx está morto, é porem um rótulo de ignorância na sua própria testa. Quando não é só por ignorância, é terrorismo ideológico feito com desonestidade intelectual."
Daí que Freitas Branco seja da opinião de que "ser comunista, hoje, deve ser, acima de tudo, o assumir no terreno político de uma atitude de moralização e de credibilização dos actos políticos", devendo aquele que se considera comunista "opor-se frontalmente à cultura da mentira, ao ilusionismo político que hoje contamina todo o edifício da democracia". E insiste em que "o comunista deve moralizar a sociedade, prosseguir na verdade, na sinceridade, na racionalidade, num projecto a longo prazo de saneamento político contra os arrivistas - a democracia está cheia de arrivismo".
O internacionalismo
A crítica da mentira na política e da actual organização social é feita também por Ruben de Carvalho. Afirma que "a história de que o comunismo morreu é um embuste, até do ponto de vista teórico e científico, basta entrar numa universidade dos Estados Unidos". E interroga-se: "Houve derrotas? Pois houve. Mas depois da queda do Muro o mundo não está mais seguro nem mais justo."
Crítica semelhante à de Urbano Tavares Rodrigues. O escritor começa por sustentar que ser comunista hoje, em Portugal, é estar com o partido: "O partido que está na primeira linha da defesa dos trabalhadores, com os sindicatos, onde há greves, deslocalizações. Que cumpre um papel que ninguém cumpre, combate o novo capitalismo neoliberal." E conclui: "Não me arrisco a dizer muita coisa.
No entanto, penso que a ideia de revolução permanente que Trotsky, que Lénine acolhem supõe uma espécie de globalização. Hoje há uma outra globalização. O domínio das multinacionais e do grande capital espalhou-se por todo o mundo desenvolvido. Se se dá o colapso dessa globalização neoliberal e desumana, que tem levado a guerras, que contém uma política de barbárie, poderá haver democracias socialistas, de inspiração marxista."
Apesar de divergir sobre o papel do PCP, também Jorge Silva Melo defende que para o comunismo ser possível é preciso recuperar o internacionalismo, ainda que o apresente de forma diversa: "O que é fundamental no futuro é a internacionalização, a possibilidade de haver organizações em que a minha voz aqui é ouvida e repercute noutro lado, onde pessoas com ideias comuns possam ultrapassar as barreiras da língua, do lugar-comum, com um instrumento que é a Internet. Uma organização que construa pensamento, uma comunidade que pensa ultrapassando as barreiras da nação."
E Miguel Portas sublinha que o que importa hoje é saber como "se pode superar o capitalismo real, o que existe, não o dos livros". Na opinião deste eurodeputado do BE, "isso não é um combate especificamente comunista". E conclui: "Respeito imenso quem procura, a partir do comunismo, construir e refundar as razões do combate ao capitalismo, mas este combate está longe de se poder resumir à subjectividade comunista, enquanto mundividência, e mesmo ao marxismo, enquanto método de análise. Passou um século sobre essa história e essa história não é única, é uma história para que convergem muitos afluentes."

[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]

Replies:
Subject Author Date
Re: O que é ser comunistaGuilherme Fonseca Statter15/11/07 11:00:38
Re: O que é ser comunistaBeneditos15/11/07 15:40:28


Post a message:
This forum requires an account to post.
[ Create Account ]
[ Login ]
[ Contact Forum Admin ]


Forum timezone: GMT+0
VF Version: 3.00b, ConfDB:
Before posting please read our privacy policy.
VoyForums(tm) is a Free Service from Voyager Info-Systems.
Copyright © 1998-2019 Voyager Info-Systems. All Rights Reserved.