VoyForums
[ Show ]
Support VoyForums
[ Shrink ]
VoyForums Announcement: Programming and providing support for this service has been a labor of love since 1997. We are one of the few services online who values our users' privacy, and have never sold your information. We have even fought hard to defend your privacy in legal cases; however, we've done it with almost no financial support -- paying out of pocket to continue providing the service. Due to the issues imposed on us by advertisers, we also stopped hosting most ads on the forums many years ago. We hope you appreciate our efforts.

Show your support by donating any amount. (Note: We are still technically a for-profit company, so your contribution is not tax-deductible.) PayPal Acct: Feedback:

Donate to VoyForums (PayPal):

Login ] [ Contact Forum Admin ] [ Main index ] [ Post a new message ] [ Search | Check update time | Archives: 1[2]345678 ]
Subject: A LUTA É O CAMINHO


Author:
Avante!
[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]
Date Posted: 29/01/09 10:25:20

A LUTA É O CAMINHO

O agravamento da situação económica e social constitui o traço característico fundamental da situação do País.
Na realidade, tudo piora todos os dias.
Todavia, como a política responsável por essa situação contém uma inequívoca marca de classe, quem de facto sofre as terríveis consequências desse agravamento são os trabalhadores e o povo.
Assim, o desemprego continua a crescer; os salários e subsídios em atraso proliferam; os salários recebidos, tal como as reformas e pensões, são cada vez mais insuficientes para fazer face às despesas essenciais das famílias; a pobreza alastra; a miséria aumenta… enfim, para a imensa maioria dos portugueses, a vida é cada vez mais difícil. Enquanto, do outro lado desta realidade, os grandes grupos económicos e financeiros estão bem e recomendam-se. Para essa imensa minoria, tudo é simples: se a empresa tem prejuízos (ou se não tem os lucros que desejariam), despedem trabalhadores. E para os banqueiros, as coisas parecem estar facilitadas, já que os governos europeus e dos EUA – a pretexto de que é preciso livrar a Banca do «lixo tóxico» que ela criou - ensaiam novas modalidades de apoio que se traduzem não apenas em emprestar todo o dinheiro de que a Banca necessite mas em dar-lhe, em oferecer-lhe esse dinheiro.
Entretanto, o Governo PS/Sócrates – agindo como um autêntico conselho de administração dos interesses do grande capital – prossegue a sua política de direita e, no meio de um foguetório de manifestações à esquerda (certamente com as eleições no pensamento…), repete e repete, hipocritamente, as supostas vantagens das reais malfeitorias com que agravou o código do trabalho; rejeita a proposta do PCP visando o alargamento da atribuição do subsídio de desemprego; persiste arrogantemente no iníquo modelo de avaliação dos professores; insiste e insiste em levar por diante a política que conduziu o País à situação actual – assim acentuando cada vez mais a insegurança e a injustiça que hoje se abate sobre os trabalhadores, as famílias, o povo português.

A esta situação, os trabalhadores continuam a responder com a armas que têm na mão: a sua força organizada, o seu movimento sindical unitário que, no plano das forças sociais, tem sido o grande protagonista das importantes lutas levadas a cabo, lutas que têm constituído um poderoso obstáculo à concretização plena dos objectivos da política de direita.
E as lutas actualmente em curso, bem como as já programadas para o futuro imediato – designadamente a grande jornada de luta convocada pela CGTP-IN para 13 de Março, em Lisboa – são expressões concretas não apenas dessa capacidade de intervenção organizada dos trabalhadores, mas igualmente das potencialidades do desenvolvimento e intensificação da luta que a situação exige.
É esse o caminho para fazer frente à política do Governo e para impor a ruptura e a mudança necessárias. Sabem-no os trabalhadores e, por isso, agem no sentido de dar mais força à sua luta. Sabem-no o Governo e o grande capital e, por isso, recorrem a todos os meios, sem hesitar em violar a legalidade democrática, para travar essa luta.
São conhecidas as dificuldades e os obstáculos que hoje se colocam à acção dos trabalhadores: os propagandistas da política de direita levam por diante uma ofensiva ideológica que, amplamente difundida pelos média dominantes – propriedade dos grandes grupos económicos e financeiros - tem como objectivo essencial a desmobilização dos trabalhadores; o Governo e o grande capital conluiados, rasgando a Constituição da República Portuguesa, enveredam crescentemente pela ilegalidade, pelo arbítrio, pelo abuso do poder; multiplicam-se as ameaças, as chantagens, as represálias, a repressão, num crescendo de autoritarismo e arrogância que ferem profundamente a democracia.

Os julgamentos actualmente a decorrer no Porto e em Guimarães, são por demais elucidativos sobre os métodos utilizados pelo poder dominante e sinalizam exemplarmente a deriva opressora e repressiva que hoje ameaça a sociedade portuguesa: quatro dirigentes sindicais, três membros de movimentos de utentes e uma estudante do Ensino Secundário, foram constituídos réus pelo simples facto de, usando um direito constitucional, terem participado em manifestações de protesto contra a política do Governo.
No caso dos quatro dirigentes sindicais, pode dizer-se que foram escolhidos à lupa, já que todos são conhecidos como militantes comunistas… e, por isso, foram seleccionados.
E o aparato policial montado junto às instalações do Tribunal Judicial de Guimarães no primeiro dia do julgamento, mostra bem como o Governo de José Sócrates vê os trabalhadores…
Tudo isto a confirmar que uma política ao serviço da grande capital - e, por isso, contrária aos interesses e direitos dos trabalhadores - é sempre uma política anti-democrática e violadora dos direitos, liberdades e garantias dos trabalhadores e dos cidadãos.
Tudo isto a confirmar, igualmente, que a luta que os trabalhadores e o povo português travam, hoje, contra a política e as práticas deste Governo do PS, é na sua essência uma luta pela democracia e pela liberdade.

A esta situação, o PCP, por seu lado, responde afirmando e demonstrando sem margem para dúvidas que «Sim, é possível uma vida melhor!» – e que a ideia das «inevitabilidades» propalada pelo Governo e pelos seus propagandistas não passa de um embuste com o qual pretendem justificar uma política contrária aos interesses dos trabalhadores, do povo e do País.

[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]


Post a message:
This forum requires an account to post.
[ Create Account ]
[ Login ]
[ Contact Forum Admin ]


Forum timezone: GMT+0
VF Version: 3.00b, ConfDB:
Before posting please read our privacy policy.
VoyForums(tm) is a Free Service from Voyager Info-Systems.
Copyright © 1998-2019 Voyager Info-Systems. All Rights Reserved.