VoyForums
[ Show ]
Support VoyForums
[ Shrink ]
VoyForums Announcement: Programming and providing support for this service has been a labor of love since 1997. We are one of the few services online who values our users' privacy, and have never sold your information. We have even fought hard to defend your privacy in legal cases; however, we've done it with almost no financial support -- paying out of pocket to continue providing the service. Due to the issues imposed on us by advertisers, we also stopped hosting most ads on the forums many years ago. We hope you appreciate our efforts.

Show your support by donating any amount. (Note: We are still technically a for-profit company, so your contribution is not tax-deductible.) PayPal Acct: Feedback:

Donate to VoyForums (PayPal):

Login ] [ Contact Forum Admin ] [ Main index ] [ Post a new message ] [ Search | Check update time | Archives: 123[4]5678 ]
Subject: Tratamento de choque para eurocentricos


Author:
Fernando Penim Redondo
[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]
Date Posted: 14/07/08 12:43:32

O Público, em dois dias consecutivos (12 e 13 de Julho), publicou dois textos muito importantes para nos fazer perceber a transformação do mundo e nos prepararmos para ela. Enquanto isso, no Parlamento Europeu, havia eurodeputados que se entretinham a dissertar sobre como boicotar a cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim.
Aqui ficam alguns parágrafos ilustrativos dos artigos de José Pacheco Pereira e de Francisca Gorjão Henriques:

Quem nos ouve fica com a impressão de que o mundo caiu num buraco monumental, de que não se consegue sair, e com o mundo todos nós atrás. E, no entanto, não é verdade. O mundo não está em "crise". Somo nós, países industrializados ocidentais, na Europa e nos EUA, que estamos em "crise", não é o mundo. Bem pelo contrário, o mundo está bem e recomenda-se.
...
Na verdade, há uma gigantesca transferência de recursos entre os ricos do passado e os pobres do passado. Essa deslocação não se faz sem sobressaltos, sem que muito não fique pelo caminho e sem que muito vá parar a mãos pouco recomendáveis, mas nem por isso deixa de se estar a dar uma verdadeira revolução na qualidade de vida de milhões e milhões de pessoas, a começar pela China e pela Índia.
...
A "crise" nos EUA e na Europa não é apenas económica - aliás, nada é apenas económico -, mas sim social, cultural, política, civilizacional e, só quando se vê neste conjunto, se percebe a sua importância e profundidade.
...
Como todas as grandes mudanças, é turbulenta, há quem ganha e quem perca. Na actual "crise" estamos nós a perder, mas muito mais gente a ganhar e por isso convinha dobrar a língua quando falamos de crise. A nossa lamentação sobe aos céus, mas para muitos milhões de homens são palmas que se ouvem.


Pacheco Pereira, "A nossa "crise" e a (r)evolução deles", Público 12.07.2008



A classe média chinesa - entre 100 e 150 milhões de pessoas - é uma novidade com uma década, o tempo suficiente na China para várias mudanças que no Ocidente levaram 50 anos.
...
Não é fácil integrar a expressão classe média no léxico de um regime que foi criado a partir do princípio da abolição de classes. Para não ferir sensibilidades políticas, tornou-se mais frequente empregar termos como "estrato de rendimento médio", "grupo de rendimento médio" ou apenas "estrato médio", escrevia o China Daily (jornal anglófono oficial) num artigo de 2004, onde era referido que o tema tinha saltado das notícia dos jornais para os documentos do Governo. E definia classe média como "um grupo de pessoas com rendimentos estáveis que podem comprar casas, carros e pagar os custos da educação e das férias".
...
A pergunta que habitualmente se coloca a seguir é: o regime irá acompanhar a abertura com mudanças políticas? As respostas variam entre os dois extremos.
Por um lado, o regime passará a contar com uma larga camada da população que está feliz com a vida que leva e a quem, aparentemente, não falta nada. Por outro, também há quem defenda que esta nova geração de chineses, com mais estudos e mais habituados a obter o que desejam, leve a um aumento da pressão para que lhes sejam dadas outro tipo de escolhas, como por exemplo, a eleição dos seus líderes.
...
Outras das interrogações: o planeta tolera as consequências deste aumento de produção? Annie Wang não dá hipótese. "Não venham dizer aos chineses que eles não podem andar de carro e que fiquem com as bicicletas. Eles têm que passar por isso." E é isso que explica que todos os dias se vendam mil carros em Pequim.
...
Um dos fenómenos que tem contribuído para o aumento da classe média é a mobilidade dos camponeses para os centros urbanos. Nos próximos dez anos é previsível que haja 100 cidades na China com mais de três milhões de habitantes, e 700 milhões de pessoas com um razoável poder de compra (algo em que o Governo tem estado disposto a apostar para garantir que o crescimento da economia se mantém).


Francisca Gorjão Henriques, "A República Popular do Consumo", Público 13.07.2008

[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]

Replies:
Subject Author Date
A nossa "crise" e a (r)evolução delesJosé Pacheco Pereira (Público, 12.07.2008)14/07/08 12:46:44
A República Popular do ConsumoFrancisca Gorjão Henriques (Público, 13.07.2008)14/07/08 12:48:57
Re: Tratamento de choque para eurocentricosGuilherme da Fonseca-Statter14/07/08 14:53:48
São eles que pagam o milagre económico da ChinaFrancisca Gorjão Henriques (Público, 20.07.2008)21/07/08 22:31:17


Post a message:
This forum requires an account to post.
[ Create Account ]
[ Login ]
[ Contact Forum Admin ]


Forum timezone: GMT+0
VF Version: 3.00b, ConfDB:
Before posting please read our privacy policy.
VoyForums(tm) is a Free Service from Voyager Info-Systems.
Copyright © 1998-2019 Voyager Info-Systems. All Rights Reserved.