VoyForums
1 CLICK GIVES FREE FOOD!
www.TheHungerSite.com
Protect Habitat with a Click!
www.TheRainforestSite.com
Non-profit ad served by VoyForums...

VoyUser Login optional ] [ Contact Forum Admin ] [ Main index ] [ Post a new message ] [ Search | Check update time | Archives: 12345678 ]
Subject: A economia em fase terminal


Author:
Paul Craig Roberts
[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]
Date Posted: 12/08/09 11:32:57

Cidades de tendas nos EUA
A economia em fase terminal
por Paul Craig Roberts [*]

Cidades de tendas. Cidades de tendas a brotarem por todos os EUA estão a encher-se com os desempregados e sem-abrigo resultantes da pior crise económica desde os anos 30. Enquanto os americanos vivem em tendas, o governo Obama embarca num programa de construção de uma mega-embaixada de mil milhões de dólares em Islamabad, no Paquistão, para rivalizar com aquela construída pelo governo Bush em Bagdad.

Momentos difíceis afligem os estado-unidenses desde há tanto tempo que até a extensão dos benefícios de desemprego de 6 para 18 meses em 24 estados com elevado nível de desemprego, e de 46 para 72 semanas em outros estados, começa a acabar. Na altura do Natal 1,5 milhão de americanos terão esgotado os seus subsídios de desemprego, enquanto este continua a aumentar.

No meio desta crise económica em agravamento, a Casa dos Representantes acaba de aprovar um orçamento de "defesa" de 636 mil milhões de dólares.

De quem se estão a defender os Estados Unidos? Os americanos não têm inimigos excepto aqueles que o seu governo se esforça ininterruptamente por criar, através de bombardeamentos e invasões de países que não constituem qualquer ameaça aos EUA ou cercando outros – como a Rússia – com bases militares ameaçadoras.

As guerras dos EUA são forçadas para atender à máquina de lavagem de dinheiro: dos contribuintes e de credores estrangeiros para a indústria de armamento e para as contribuições para campanhas políticas que assegurem a aprovação de orçamentos de "defesa" de 636 mil milhões de dólares.

O presidente George W. Bush arranjou guerras no Iraque e no Afeganistão baseadas inteiramente em mentiras e desinformações. Mas Obama suplantou Bush, começando uma guerra no Paquistão sem qualquer explicação.

Se a indústria de armamento e os SS neoconservadores levarem a sua avante, os Estados Unidos estarão em breve também em guerra com o Irão, Rússia, Sudão e Coreia do Norte.

No entanto, os EUA continuam a ser avassalados, como ocorre há décadas, não por inimigos armados estrangeiros e sim por imigrantes ilegais que atravessam as suas fronteiras.

É prova dos tempos Orwellianos em que vivemos que 636 mil milhões de dólares usados para guerras de agressão sejam chamados de "orçamento de defesa".

Quem pagará tudo isto? Quando os países estrangeiros tiverem gasto os seus excedentes comerciais e não tiverem mais dólares para reciclar na compra de títulos do Tesouro, quando os bancos estado-unidenses tiverem gasto todo o dinheiro do seu salvamento ("bailout") na compra de títulos do Tesouro, e quando a Reserva Federal não puder imprimir mais dinheiro para manter o governo a funcionar sem aumentar a inflação e as taxas de juros, o contribuinte será tudo o que resta. Os dois principais conselheiros económicos de Obama, Timothy Geithner, secretário do Tesouro e Larry Summers, director do Conselho Económico Nacional, já acenam com a perspectiva de um aumento de impostos para a classe média. Será Obama manobrado para longe das suas promessas como ocorreu com Bush sénior?

EMPREGOS EM TOPLESS

Verão os americanos a desconexão entre os seus interesses e os interesses do "seu" governo? Na pequena cidade de Vassalboro, no Maine, uma oferta de trabalho como empregada de mesa em topless num café atraiu mais 150 candidatas. As mulheres nesta pequena cidade estão tão desesperadas por empregos que foram reduzidas a despir-se para entretenimento dos seus vizinhos.

No entanto, o governo Obama vai arrumar o Afeganistão e o Paquistão e construir palácios de mármore para espantar os habitantes locais do outro lado do mundo.

O governo dos EUA continua a repetir "recuperação" da mesma maneira que Bush repetia "ameaça terrorista" e "armas de destruição em massa". A recuperação não é mais real que o eram as ameaças. De facto, é possível que o colapso económico mal tenha começado. Vejamos o que se pode esperar aqui nos EUA enquanto o seu governo busca a hegemonia no exterior.

A crise do imobiliário não acabou. Mais execuções de hipotecas são de esperar enquanto o desemprego aumenta e a protecção dos desempregos se esgotam. A crise comercial do imobiliário ainda não chegou. Vêm a caminho mais salvamentos, que terão de ser financiados por mais dívida ou criação de moeda. Se não houver compradores suficientes para os títulos do Tesouro, a Reserva Federal terá de comprá-los criando contas à ordem para o Tesouro, isto é, pela monetarização de dívida ou impressão de dinheiro.

Mais dívida e criação de moeda colocará mais pressão sobre o valor de troca do dólar americano. A partir de certa altura os preços das importações, que incluem bens e serviços em offshores de empresas estado-unidenses, aumentarão, contribuindo para aumentar a inflação já alimentada pela criação interna de moeda. A Reserva Federal será incapaz de manter as taxas de juro baixas pela compra de títulos.

Parte alguma da política económica dos EUA aborda a crise sistémica nos rendimentos estado-unidenses. Para a maioria dos cidadãos os rendimentos reais cessaram de crescer há anos. Os estado-unidenses substituíram esta falta de aumento nos rendimentos por segundos empregos e acumulação de dívida devido à falta de crescimento dos salários reais.. Com a maioria das famílias esmagada por dívidas e com empregos a desaparecerem, estes substitutos para um crescimento real dos rendimentos simplesmente já não existem.

A política económica Bush-Obama na verdade piora a crise sistémica que o dólar americano enfrenta enquanto divisa de reserva. O facto de não haver alternativa ao dólar como divisa de reserva não garante que este se mantenha nesse papel. É possível que os países comecem a achar menos arriscado realizar transacções comerciais com as suas próprias divisas.

Como é que uma economia fortemente baseada em gastos dos consumidores recupera quando tantos empregos de valor acrescentado, o PIB e as receitas fiscais associadas sobre as folhas de pagamentos, foram levados para o exterior e quando os consumidores não têm mais bens com que alavancar um aumento dos seus gastos?

Como é que os EUA pagarão as suas importações se o dólar não for mais usado como divisa de reserva?

Estas são as questões não respondidas.
[*] Ex-assistente do secretário do Tesouro na administração Reagan, co-autor de The Tyranny of Good Intentions . Email: PaulCraigRoberts@yahoo.com

O original encontra-se em http://www.counterpunch.org/roberts08062009.html . Tradução de JC.

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .

[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]


VoyUser Login ] Not required to post.
Post a public reply to this message | Go post a new public message
* HTML allowed in marked fields.
Message subject (required):

Name (required):

  Expression (Optional mood/title along with your name) Examples: (happy, sad, The Joyful, etc.) help)

  E-mail address (optional):

* Type your message here:


Notice: Copies of your message may remain on this and other systems on internet. Please be respectful.

[ Contact Forum Admin ]


Forum timezone: GMT+0
VF Version: 3.00b, ConfDB:
Before posting please read our privacy policy.
VoyForums(tm) is a Free Service from Voyager Info-Systems.
Copyright © 1998-2016 Voyager Info-Systems. All Rights Reserved.