VoyForums
[ Show ]
Support VoyForums
[ Shrink ]
VoyForums Announcement: Programming and providing support for this service has been a labor of love since 1997. We are one of the few services online who values our users' privacy, and have never sold your information. We have even fought hard to defend your privacy in legal cases; however, we've done it with almost no financial support -- paying out of pocket to continue providing the service. Due to the issues imposed on us by advertisers, we also stopped hosting most ads on the forums many years ago. We hope you appreciate our efforts.

Show your support by donating any amount. (Note: We are still technically a for-profit company, so your contribution is not tax-deductible.) PayPal Acct: Feedback:

Donate to VoyForums (PayPal):

13/12/19 21:27:57Login ] [ Contact Forum Admin ] [ Main index ] [ Post a new message ] [ Search | Check update time | Archives: 1[2]3456789 ]
Subject: Reflexão sobre o Socialismo no século 21


Author:
António Bica
[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]
Date Posted: 6/09/07 14:19:47
In reply to: ABKNET 's message, "O guru de Chávez" on 6/09/07 14:18:31

Segundo considera o venezuelano Raúl Isaías Badual, o livro “Hugo Chavez e o Socialismo no século 21” de Heinz Dieterich é contribuição para a teorização de nova sociedade não capitalista.
Ao desafio do presidente Chavez para a invenção do socialismo do século 21 com modelo teórico adaptado à realidade da América Latina era de pensar que muitos respondessem. A quase única resposta é a de Heinz Dieterich. Não procura ele construir de novo núcleo científico de teoria revolucionária, mas trabalhar sobre a teorização anterior para chegar a novo modelo para a economia não capitalista que o presidente Chavez desafia a inventar.
Deve-se chegar ao socialismo do século 21 não de maneira caótica, mas usando a racionalidade e o método científico, diz Heinz Dieterich que se pergunta: Sem a ciência pode-se construir o socialismo?
Responde: Não será possível. Hugo Chavez entende que o socialismo no século 21 se construirá tendo como referência as ideias originais de Marx e de Engels, e Heinz Dieterich considera que estes autores são referência por terem delineado a primeira teoria científica da sociedade na base da interacção entre a lógica do sistema social e económico e a dos sujeitos sociais. Entende que se impõe actualmente passar da fase da crítica ao capitalismo global que fazem Kurz, Meszaros e Drafer e avançar para o delineamento da economia socialista no século 21.
Heinz considera que Marx e Engels teorizaram com agudeza o mecanismo da exploração capitalista, mas não avançaram com suficiente clareza propostas para sistema a suceder ao capitalismo por não haver então capacidade de cálculo do valor objectivo do produto (mercadoria). Poderá questionar-se:
Que tem a ver o cálculo do valor objectivo do produto (mercadoria) com a construção da sociedade socialista? Heinz esclarece, entendendo que a economia socialista se deve basear no seu cálculo a partir das unidades de trabalho abstrato, porque o valor objectivo do produto (mercadoria) é a quantidade média de trabalho nela incorporada, considerando que foi por incapacidade de os países do “socialismo real” basearem a sua economia no valor objectivo dos produtos (mercadorias) que ela colapsou.
Para Heinz não basta a abolição da propriedade privada dos meios de produção, a planificação centralizada e a redução do desnível de rendimentos da população para se construir o socialismo. Entende que Arno Peters desenvolveu fórmula capaz de permitir o cálculo do valor de qualquer produto (mercadoria), que, com base em cálculo computacional, se pode definir tão rigorosamente que não será necessário mercado para a sua determinação. Com base nestas reflexões Heinz considera que há que reunir seis condições necessárias e suficientes para se construir o socialismo no século 21.
Três dessas condições são económicas: Valor, Equivalência e Cibernética. Outras três são sócio-políticas: Democracia Participativa, Educação e Redistribuição. Com estas três última condições poderão ser protegidos do poder político-burocrático resultante da planificação central pelo Estado os direitos individuais. Heinz insiste que, para que a economia seja socialista, deve assentar no valor objectivo dos produtos (mercadorias), considerando que actualmente o desenvolvimento da matemática e da computação o possibilitam de acordo com a fórmula de Arno Peters. Considera que, para transformar a economia de mercado em economia socialista, o planeamento tem que substituir o mercado e a decisão da multidão dos empresários, o que será a grande dificuldade do socialismo no século 21.

Considerações de Almeida e Silva sobre o proposto por Heinz Dieterich.
O autor do livro propõe que a sociedade nova socialista a criar retome de “socialismo real” do século 21 a planificação central da economia pelo Estado, com abolição do mercado, considerando isso condição necessária para que a sociedade tenha a natureza de socialista.
Há que ponderar sobre a proposta.
Uma sociedade humana é demasiado complexa para poder ser entendida por uma parte dela em termos de essa parte ser capaz de determinar o funcionamento e o evoluir sem contradições.
Até agora as sociedades humanas evoluíram de forma não dirigida. O seu progresso tem resultado de leis que no último século e neste se têm procurado determinar, tendo para isso contribuído de forma decisiva Marx.
Mas estamos longe de conhecer todos os complexos mecanismos do funcionamento e do evoluir das sociedades humanas e provavelmente nunca se conhecerão completamente, não obstante o contínuo progresso nesse sentido.
É desejável que as sociedades evoluam sem roturas causadoras de grandes prejuízos.
Não sendo possível determinar completamente o evoluir e o funcionamento das sociedades por desconhecimento da sua complexidade, a organização das sociedades terá que procurar facilitar os mecanismos de autocorrecção económica e social de modo que as alterações se tendam a processar de modo imediato ou quase imediato com o mínimo de intervenção da autoridade pública e consequentemente sem roturas.
A autoridade pública terá assim que intervir fundamentalmente para, pela investigação, aprofundar o conhecimento das leis que regulam o funcionamento e o evoluir das sociedades e, na base desse conhecimento, aperfeiçoar continuamente os mecanismos sociais de autocorrecção. Só nos casos em que os mecanismos de autocorrecção não resolverem as disfunções sociais e económicas é que se tornará preciso intervir para procurar resolvê-las e aperfeiçoar os mecanismos de autocorrecção de modo que, no futuro, solucionem o mesmo tipo de contradições.
Arredar o mercado da economia, substituindo-o pela planificação centralizada, pode levar, como levou no chamado “socialismo real” do século 20, ao controle burocrático de um pequeno grupo de técnicos políticos sobre a economia do Estado com as consequentes disfunções ao sabor de conjunturas políticas, interesses pessoais e de grupos, recaíndo-se nas contradições que levaram ao colapso da União Sociética. Há que lembrar que na Rússia, após a consolidação do poder revolucionário, o Comité Central do Partido Comunista aprovou e pôs em prática, com êxito económico, a chamada NEP (Nova Economia Política) com o consequente mercado, que foi pouco depois eliminado sob a direcção de Estaline.
Não é razoável que se pretenda criar abruptamente sociedades perfeitas, querendo eliminar por acto político as contradições sociais, o que, em rigor levaria ao fim da evolução económica, social e política. Não se pode deixar de ter em conta que as sociedades que se autojulgaram perfeitas em certo momento histórico (por exermplo a chinesa, a indiana, a egípcia da antiguidade e mesmo a romana) tenderam a criar mecanismos bloqueadores das respectivas sociedades, por as julgarem perfeitas, com o que as levaram ao colapso.
Isso também aconteceu com a organização económica, social e política na União Soviética e nos outros países do chamado “Socialismo Real” no século 20, com excepção da China e do Vietname, que, tendo entendido que o bloqueamento da evolução económica resultante da centralização no Estado de todas as funções económicas com excepção do trabalho e do consumo iria levar as respectivas sociedades ao colapso, optaram por flexibilizar as regras do comando centralizado da economia e da abolição do mercado para potenciar o desenvolvimento económico, tendo em conta que sem desenvolvimento económico não há progresso social, cultural e político.
Há que se ter consciência que não é por acto político que se criam sociedades humanas perfeitas. Não é concebível que se venha algum dia a chegar à sociedade perfeita, o que significaria a sua imutabilidade. O movimento é uma das características ou leis básicas do Universo, de que resulta o Tempo, que é uma das suas dimensões. Onde há movimento não há perfeição, que à perfeição nada se acrescenta ou tira. Todavia talvez se deva procurar outro conceito de perfeição da sociedade. Não pode ser sociedade imóvel e hierática na sua perfeição, como as estátuas da antiguidade egípcia, mas sociedade que progressiva e conscientemente vai, na base do contínuo aprofundar do conhecimento das leis que regem o seu funcionamento, criando condições para que a sua evolução se processe cada vez com menores fracturas causadoras de sofrimento humano. Esse será o caminho que nos poderá levar à melhor sociedade possível, que não será nunca a sociedade espartilhada na perfeição idealizada pelo voluntarismo.

[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]


Post a message:
This forum requires an account to post.
[ Create Account ]
[ Login ]
[ Contact Forum Admin ]


Forum timezone: GMT+0
VF Version: 3.00b, ConfDB:
Before posting please read our privacy policy.
VoyForums(tm) is a Free Service from Voyager Info-Systems.
Copyright © 1998-2019 Voyager Info-Systems. All Rights Reserved.