VoyForums
[ Show ]
Support VoyForums
[ Shrink ]
VoyForums Announcement: Programming and providing support for this service has been a labor of love since 1997. We are one of the few services online who values our users' privacy, and have never sold your information. We have even fought hard to defend your privacy in legal cases; however, we've done it with almost no financial support -- paying out of pocket to continue providing the service. Due to the issues imposed on us by advertisers, we also stopped hosting most ads on the forums many years ago. We hope you appreciate our efforts.

Show your support by donating any amount. (Note: We are still technically a for-profit company, so your contribution is not tax-deductible.) PayPal Acct: Feedback:

Donate to VoyForums (PayPal):

20/01/21 20:24:37Login ] [ Contact Forum Admin ] [ Main index ] [ Post a new message ] [ Search | Check update time | Archives: 12[3]456789 ]
Subject: O mecanismo global das taxas de câmbio, ou os dólares dos "comunas"


Author:
Chris Sanders
[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]
Date Posted: 4/08/07 11:57:40

O mecanismo global das taxas de câmbio, ou os dólares dos "comunas"

“Se a única coisa que contasse nos mercados monetários fossem as contas nacionais dos países emissores, há muito que o dólar teria deixado de ser usado fora do pequeno mundo dos coleccionadores de notas e moedas, onde assumiria de pleno direito um lugar ao lado dos dólares da Confederação, dos marcos do Reich, dos dinares abássidas e das conchas e búzios”.

Chris Sanders* - 04.08.07

Apesar das angústias que provoca, o dólar americano tem-se aguentado bastante bem. A sua situação é frequentemente descrita como de colapso, mas é difícil perceber como pode ser esse o caso. A taxa de câmbio do dólar em relação ao euro anda muito perto do valor que tinha há dois anos a esta parte. No caso do yen, o valor actual do câmbio situa-se a meio do intervalo de variação da taxa nos últimos sete anos. É verdade que o dólar se desvalorizou relativamente às moedas das economias que são intensivas em matérias-primas, como o Canadá e a Austrália, mas tal seria de esperar tendo em conta o ciclo económico e, em particular, das matérias-primas, que atravessamos. Se a isto alguns chamam colapso, que todos os santos nos ajudem quando encontrarmos a estabilidade. É que nos arriscamos a morrer de tédio.

Suponho que o dólar podia entrar em colapso amanhã, ou na próxima semana, ou no ano que vem, ou nalgum momento durante a próxima década. Se a única coisa que contasse nos mercados monetários fossem as contas nacionais dos países emissores, há muito que o dólar teria deixado de ser usado fora do pequeno mundo dos coleccionadores de notas e moedas, onde assumiria de pleno direito um lugar ao lado dos dólares da Confederação, dos marcos do Reich, dos dinares abássidas e das conchas e búzios. Contudo, não creio que tal vá acontecer nos tempos mais próximos, a não ser que esse oligopólio cada vez mais concentrado que é o sistema financeiro internacional contemporâneo acredite que pode fazer mais dinheiro com um colapso do dólar do que gerindo, como faz actualmente, o mecanismo global das taxas de câmbio. Sinceramente, tal cenário não me parece previsível num futuro próximo.

Não é difícil perceber a contradição existente entre o estado das finanças no país emissor, os Estados Unidos, e a relativa estabilidade da sua moeda. É que não faltam países dispostos emprestar dinheiro aos EUA. É verdade que se a China resolvesse desfazer-se das suas reservas em moeda norte-americana, o efeito sobre o dólar seria equivalente ao colapso das torres gémeas de Nova Iorque. Mas por que razão haveriam os senhores da nova China de fazer tal coisa? Aí a conversa já é outra. É que eles estão a ganhar demasiado dinheiro ajudando a manter o status quo para sequer pensarem nisso.

No início deste ano vimos como o Congresso norte-americano eliminou as barreiras à compra de tecnologia militar sofisticada pela China. Os chineses anunciaram, algum tempo depois, que iriam autorizar a abertura de sucursais de quatro bancos ocidentais no seu território. Tais bancos irão disponibilizar uma gama completa de produtos e serviços financeiros em moeda local. Esta semana, e na sequência de mais uma ronda do "Diálogo Económico Estratégico" entre os dois países, foi revelado que a China iria autorizar a entrada de diversos bancos de investimento norte-americanos no mercado doméstico de corretagem. Ainda estamos para ver em que domínios os EUA fizeram cedências para que o Goldman Sachs e o Citigroup gozassem de tal privilégio. Todavia, isso é talvez menos importante do que o facto óbvio das autoridades em ambos os países estarem a colaborar mais estreitamente. As duas potências podem competir entre si pelos recursos do continente africano, mas ambas compreendem perfeitamente o interesse que partilham na "estabilidade" financeira.



Se não está convencido desta evidência, considere o anúncio feito a semana passada de que a nova Empresa de Investimentos Estatais da China se prepara para investir $3 mil milhões no grupo norte-americano Blackstone de participações privadas e capital de risco. O grupo Blackstone foi fundado por Peter Peterson e Stephen Schwarzman, ambos antigos elementos da Lehman Brothers. Peterson é Presidente do Council on Foreign Relations e Schwarzman um dos seus membros. Estes homens são íntimos dos poderosos e estão por dentro de importantes negócios e negociações. E a venda de 10% da sua empresa ao estado comunista chinês completa o círculo que há muito fora previsto entre capitalismo e comunismo. Quando se trata de dinheiro, até os "vermelhos" vêem (notas) "verdes".

Durante a última ronda do diálogo estratégico, alguns membros do Congresso norte-americano denunciaram, como é da praxe, a política monetária chinesa e, em particular, a sua política cambial. Sinceramente, não merecem muita atenção. A probabilidade de existir no Congresso um número relevante de congressistas favoráveis a um dólar significativamente mais forte é próxima de zero. Os negócios da Wal-Mart, com uma base de custos chinesa e receitas que lhe vêm sobretudo do mercado norte-americano, são demasiado rentáveis para que isso possa acontecer.



O mundo está a dar passos largos na direcção de uma moeda única ou algo muito parecido com isso. O mecanismo global de taxas de câmbio tem funcionado bastante bem. Quando o ex Presidente da Reserva Federal norte-americana, Alan Greenspan diz, como o fez recentemente, que não está preocupado com o défice da balança de transacções correntes dos EUA, deveríamos prestar-lhe atenção. Ele compreende, melhor do que muitos, que esse é um problema financeiro e não económico, e que o financiamento está mais que garantido. E, nessas circunstâncias, a Lockheed Martin, a Boeing e outras empresas vão continuar a ganhar muito dinheiro vendendo os seus produtos à China. Como se costuma dizer, a situação é de "dois-em-um".

A questão da moeda e da globalização foi recentemente tema de um artigo na revista Foreign Affairs, que funciona geralmente como porta-voz do Council on Foreign Relations, em Nova Iorque. O artigo foi escrito por Benn Steil, director da organização para a economia internacional e empregado de Peter Peterson. Se estiver com pressa, escusa de ler mais do que o título do artigo : “O Fim da Moeda Nacional (The End of National Currency)”.

Para aqueles que dispuserem de tempo, todavia, aqui ficam os pontos principais do artigo de Steil:
•A globalização e as moedas nacionais são incompatíveis.
•Não existe uma alternativa à globalização.
•Por isso, não existe necessidade de moedas nacionais.
•O controlo sobre as moedas nacionais não é um elemento essencial de soberania nacional.
•O dólar e o euro são basicamente ideias absurdas.
•O dinheiro privatizado, tendo por base o ouro, poderá ser a onda do futuro.
•Entretanto, todos os países deviam abandonar as suas moedas nacionais e aderir ao bloco do dólar, euro ou a um bloco asiático.

Nada disto deveria constituir uma surpresa, considerando quem é o patrão de Steil. Na verdade, o artigo até é uma formulação bem vinda daquilo que são as ideias do seu patrão sobre dinheiro, nações e nacionalidades. É óbvio que quem acabar por controlar o sistema que ele advoga conquistará o poder soberano num mundo globalizado que Steil implicitamente assume como inevitável e desejável. Mas o autor não gasta o tempo precioso dos seus leitores como ideias perturbantes como esta. Em vez disso, ele vira do avesso esse facto óbvio e afirma que as moedas nacionais são incompatíveis com a "globalização". E vai mesmo mais longe, culpando noções ultrapassadas e mesmo irrelevantes de soberania pela volatilidade dos mercados financeiros ao longo dos últimos trinta anos. Ao fazê-lo, ignora um argumento mais persuasivo: o de que a causa das crises sucessivas cuja responsabilidade ele atribui aos nacionalistas monetários pode, na verade, ser o próprio processo de centralização monetária global que vem propôr aos seus leitores.

Para poupar tempo aos seus leitores ocupados, Steil também não define o que entende por globalização, o que acaba por ser muito conveniente. Mas não para aqueles que têm tempo para pensar sobre estas coisas, porque aquilo a que Steil se refere com tanta ligeireza como globalização é, na verdade, apenas a versão de um grupo sobre o que poderá ser um mundo interligado, isto é, um mundo em que esse grupo controlará todo o dinheiro e crédito. Nesta versão da globalização, o controlo sobre a riqueza real do planeta será garantido pela centralização do controlo do dinheiro e do crédito e pela organização "flexível" da produção, de modo a que esta possa ser deslocada para as regiões onde os custos do trabalho tiverem sido reduzidos para os níveis mais baixos possíveis.

Estas prioridades destinam-se, claramente, a favorecer uma minoria, sendo óbvio que não são conciliáveis com o pluralismo político. Como economista competente e empregado leal que é, Steil consegue evitar falar de política, poupando desse modo ainda mais tempo aos seus leitores.

Existe, todavia, uma outra versão de globalização, em que a produção se localizará o mais próximo possível dos mercados que pretende servir. Nesta versão da globalização, o trabalho receberá uma parcela mais significativa dos lucros e irá gerir ele próprio os processos de produção agrícola e industrial, reduzindo os custos através da eliminação da placa arterosclerótica empresarial que é uma consequência da política mas entope as artérias da economia, duplicando o trabalho e desviando capital dos investimentos produtivos. Nesta versão da globalização, o controlo do dinheiro e do crédito seria local e não global, tornando muito mais difíceis os empréstimos de carácter predatório. Esta versão da globalização depende, por definição, da existência de pluralismo político.

Steil não discute esta alternativa, talvez porque a considera completamente irrealista no quadro da mundovisão que ele tão bem serve. E, devo confessá-lo, também eu a considero irrealista e mesmo utópica. Contudo, existem motivos para duvidar de tal perspectiva.

Entre eles sobressai uma outra questão que Steil não refere, e que é o facto da produção mundial de petróleo, gás e carvão ter atingido um pico, anunciando o fim do crescimento fantástico da produção mundial que a exploração dessas fontes fósseis de energia solar permitiu ao longo dos últimos duzentos e cinquenta anos. Com efeito, a versão alternativa da globalização que alguns imaginam e que atrás foi esboçada pode bem ser uma forma melhor de organizar o mundo para a maioria dos seus habitantes do que aquela de que o Council on Foreign Relations nos quer fazer querer que é a única possível.

Mas não fiquem de respiração suspensa enquanto esperam por ela.


*Chris Sanders é consultor de investimento especializado na análise de economia política global

Tradução de Luís Pinto


ODiario.info

[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]


Post a message:
This forum requires an account to post.
[ Create Account ]
[ Login ]
[ Contact Forum Admin ]


Forum timezone: GMT+0
VF Version: 3.00b, ConfDB:
Before posting please read our privacy policy.
VoyForums(tm) is a Free Service from Voyager Info-Systems.
Copyright © 1998-2019 Voyager Info-Systems. All Rights Reserved.