VoyForums
[ Show ]
Support VoyForums
[ Shrink ]
VoyForums Announcement: Programming and providing support for this service has been a labor of love since 1997. We are one of the few services online who values our users' privacy, and have never sold your information. We have even fought hard to defend your privacy in legal cases; however, we've done it with almost no financial support -- paying out of pocket to continue providing the service. Due to the issues imposed on us by advertisers, we also stopped hosting most ads on the forums many years ago. We hope you appreciate our efforts.

Show your support by donating any amount. (Note: We are still technically a for-profit company, so your contribution is not tax-deductible.) PayPal Acct: Feedback:

Donate to VoyForums (PayPal):

9/12/19 15:38:49Login ] [ Contact Forum Admin ] [ Main index ] [ Post a new message ] [ Search | Check update time | Archives: 123[4]56789 ]
Subject: Estamos encerrados


Author:
Clara Ferreira Alves
[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]
Date Posted: 1/07/07 9:55:24

NO DIA 13 de Junho dava-se uma volta pela cidade de Lisboa, e era o deserto. Feriado, e feriado a seguir a um feriado, o que significa que só se encontravam turistas. Os turistas deambulavam com ar perdido pelas ruas da Baixa, deserta, fechada, de taipais caídos e restaurantes fora de serviço. O chão estava cheio de papéis que esvoaçavam e as fachadas dos prédios e as lojas pareciam as de uma cidade abandonada e decadente. Até o largo do Rossio já está a ficar velho outra vez e o aspecto decrépito do comércio da zona não ajuda muito a considerar Lisboa uma cidade europeia. Nápoles está melhorzinho do que isto. Em Junho e durante as festas da cidade, quando o número de visitantes devia aumentar e quando ela estava mais bonita, com os jacarandás em flor e os verdes brilhantes de toda a chuva que tem caído, Lisboa era naquele dia uma cidade abandonada e entristecida. Os portugueses, e neste caso os lisboetas, não têm o mínimo sentido da oportunidade e do negócio e andam com os horários trocados. Se formos a Madrid ou a Londres, a Barcelona ou a Paris, vemos que estas cidades começam a transformar-se, ou já se transformaram, em cidades que não dormem, como Nova Iorque.

Londres, a mais vital e rica de todas, é uma cidade aberta e com as lojas abertas todos os dias, uma força de trabalho alimentada pelos emigrantes de todas as cores que desconhecem feriados e fins-de-semana e contribuem para a vitalidade comercial dos bairros e para essa sensação tão boa, que todas as cidades devem ter, de que o tecido urbano é uma coisa viva e orgânica e funcional 24 horas por dia. Quem quer descansar vai para o campo, as cidades são para serem habitadas e terem gente nas ruas e cafés e restaurantes abertos, e teatros e cinemas iluminados, e bares com noctívagos. Uma cidade não fecha porque é um gigantesco centro comercial ao ar livre. Em Itália, começamos a ver o mesmo fenómeno, com as lojas de certos bairros de Milão e de Roma a abrirem aos domingos e estarem abertas aos sábados à tarde. Estando as lojas abertas, os estabelecimentos de comidas e bebidas acompanham e transforma-se uma cidade entorpecida numa metrópole vibrante. A energia de Nova Iorque é a energia do trabalho e da massa humana que vive e habita e circula em Nova Iorque.

Em Portugal, tudo está feito para liquidar o comércio, sendo os próprios comerciantes os primeiros a não perceber que este modelo de funcionamento, com encerramento aos sábados à tarde e domingos todo o dia, é o menos adequado. Os sábados à tarde são, justamente, com os domingos, os dias livres para comprar, consumir e visitar as lojas. Por enquanto, com o encerramento compulsivo dos hipermercados aos domingos, o comércio das ruas não sofre a concorrência, mas assim que o horário for liberalizado, como inevitavelmente será, as lojas sofrerão as consequências, Nas últimas décadas o mercado e a livre concorrência e a ocupação de tempos livres sofreram modificações, tal como os hábitos e horários de consumo, e os comerciantes, destituídos de espírito comercial, insistem na sacralidade do sem fim-de-semana e em manter, com esta opção, as cidades vazias e encerradas no centro. As pessoas, os consumidores, invadem os centros comerciais, acolhedores no Inverno, com variedade de escolha e possibilidade de atendimento das 10 horas da manhã às 11 horas da noite, mais os cinemas e serviços. O Corte Inglés, ao sábado, tem lá dentro uma pequena cidade, um formigueiro de gente que aproveita o lazer para gastar dinheiro e passear em temperaturas climatizadas.

Os comerciantes tiveram a oportunidade de compreender que a demografia do consumo mudou, e que neste ramo quem não muda morre. A Baixa de Lisboa é, em 2007, um cadáver. E um cadáver que afecta as áreas vizinhas, mesmo as que tentam resistir, como o Chiado e o Príncipe Real. Não é possível num dia de Junho de uma cidade «mediterrânica» como esta, quando se comemora o Santo António, que a data seja entendida não como uma oportunidade de negócio pelos lojistas e donos de restaurantes, e sim como um período de férias. A falta de sentido prático dos portugueses é lendária. Em toda a Baixa não se encontrava, naquele santo dia, mais do que meia dúzia de restaurantes abertos onde turistas melancólicos debicavam grelhados e imperiais. No dia em que a cidade devia estar mais cheia de gente e em festa, o ambiente era de funeral. A Rua Augusta era um estudo sobre a depressão urbana. O Terreiro do Paço parecia, como sempre, um estaleiro.

Qualquer plano de reabilitação da Baixa terá de avaliar este comportamento e modificá-lo. A Baixa de Lisboa acabou, aquilo já deu o que tinha a dar, e por favor retirem as cadeirinhas de plástico daquelas esplanadas. O próximo presidente da Câmara e seus acólitos terão de atacar a nossa preguiça ancestral e essa mania dos dias santos como pretexto para deixar de trabalhar dentro da cidade. Quem está pobre como nós estamos não pode dar-se ao luxo de desperdiçar dias destes colocando na porta o letreiro «Estamos Encerrados».

[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]


Post a message:
This forum requires an account to post.
[ Create Account ]
[ Login ]
[ Contact Forum Admin ]


Forum timezone: GMT+0
VF Version: 3.00b, ConfDB:
Before posting please read our privacy policy.
VoyForums(tm) is a Free Service from Voyager Info-Systems.
Copyright © 1998-2019 Voyager Info-Systems. All Rights Reserved.