VoyForums
[ Show ]
Support VoyForums
[ Shrink ]
VoyForums Announcement: Programming and providing support for this service has been a labor of love since 1997. We are one of the few services online who values our users' privacy, and have never sold your information. We have even fought hard to defend your privacy in legal cases; however, we've done it with almost no financial support -- paying out of pocket to continue providing the service. Due to the issues imposed on us by advertisers, we also stopped hosting most ads on the forums many years ago. We hope you appreciate our efforts.

Show your support by donating any amount. (Note: We are still technically a for-profit company, so your contribution is not tax-deductible.) PayPal Acct: Feedback:

Donate to VoyForums (PayPal):

8/12/19 21:46:06Login ] [ Contact Forum Admin ] [ Main index ] [ Post a new message ] [ Search | Check update time | Archives: 123[4]56789 ]
Subject: MENOS POBREZA NO MUNDO


Author:
CÉU NEVES
[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]
Date Posted: 2/07/07 13:56:36
In reply to: Guilherme Statter 's message, "Comentadores mal informados? Ou escrita para preencher espaço?" on 14/06/07 19:45:51

O número de pobres no mundo baixou de 1,25 mil milhões para 980 milhões de pessoas, o que corresponde a 16% dos habitantes da Terra. Mas há ainda um longo caminho a percorrer para se cumprirem as metas de desenvolvimento até 2015, sublinham as Nações Unidas. Eis algumas cifras negras: morrem anualmente 500 mil mulheres por complicações evitáveis derivadas da gravidez e do parto e as mortes por sida aumentaram para 2,9 milhões em 2006 (2,2 milhões em 2001). Em 2005, 15 milhões de crianças perderam um ou ambos os pais devido à pandemia.

"Falta ainda muito para o êxito global estar assegurado", sublinha o relatório dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio 2007 (OMD), que será apresentado hoje em Genebra.

Os peritos da ONU registam os "progressos significativos no sentido de reduzir para metade a pobreza extrema". Sublinham, no entanto, que a evolução positiva está a ser lenta e que na Ásia Ocidental há recuos. Nesta região, a taxa de pobreza duplicou de 1,6% da população para 3,8% nos últimos 14 anos. E, além disso, os que são pobres são cada vez mais pobres.

Desigualdades

Na África subsariana, a taxa de pobreza extrema baixou quase cinco pontos percentuais, de 45,9% da população (em 1999) para 41,1% (2004), mas ainda estão longe de conseguir os objectivos propostos até 2015: reduzir para metade o número de pobres.

O panorama é mais animador no Sul e Sudoeste da Ásia e Extremo Oriente, onde "o crescimento económico colocou a região a caminho de alcançar a meta de pobreza dos OMD", diz o relatório. E registam-se alguns progressos em certos países africanos, o que demonstra que é possível alcançar os objectivos se "há uma liderança política forte, políticas consistentes, estratégias práticas associadas a apoios financeiros e técnicos internacionais".

Os objectivos para o saneamento básico também estão a ser difíceis de alcançar. Metade da população do mundo em desenvolvimento continua a não ter acesso ao saneamento básico. A meta era que mais 1,6 mil milhões de pessoas vivessem as casas com as infra-estruturas básicas, mas a manter-se a actual situação, 600 milhões ficarão fora desse objectivo. Estas pessoas vivem sobretudo na África subsariana, onde existem as maiores desigualdades em termos de acesso a bens básicos.

Entre as razões para a falta de progressos mais visíveis, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, destaca no prefácio do relatório, o "facto de os benefícios do crescimento económico não estarem a ser distribuídos de forma equitativa. Além disso, nalguns países os esforços estão a ser comprometidos pela insegurança e instabilidade causadas por factores como os conflitos armados e o VIH/sida.

Ban Ki-moon puxa as orelhas à comunidade internacional, acusando os países ricos de fugirem à responsabilidades a que se comprometeram em 2000, na cimeira promovida pela ONU e em que foram aprovados os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio até 2015. E, em 2005, na Cimeira de Gleneagles, concordaram com o reforço do apoio monetário, o que não aconteceu. Em alguns casos, as ajudas diminuíram.

"Os países mais industrializados do mundo comprometeram-se a duplicar a ajuda a África até 2010, mas a ajuda oficial total diminuiu em termos reais em 2,1% entre 2005 e 2006. Só cinco países doadores alcançaram ou excederam a meta das Nações Unidas de afectar 0,7% do seu Produto Interno Bruto à ajuda ao Desenvolvimento", diz o secretário-geral da ONU, concluindo: "Não restam dúvidas que é necessário que os líderes políticos tomem medidas urgentes e concertadas".

O relatório da ONU chama ainda a atenção para os perigos do aquecimento global e alterações climatéricas, "cujos efeitos potencialmente catastróficos se começam a fazer sentir na área económica e social", refere José António Campo, subsecretário-geral para os assuntos económicos e sociais. As emissões de dióxido carbono, o principal responsável das mudanças, passaram de 23 mil milhões de toneladas em 1990 para 29 mil milhões em 2004.

[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]

Replies:
Subject Author Date
ONU quer mais resultados na luta contra a pobrezaPedro Chaveca 2/07/07 14:01:38
    Re: ONU quer mais resultados na luta contra a pobrezaRelatório das ONU sobre a distribuição da riqueza 2/07/07 16:21:59


    Post a message:
    This forum requires an account to post.
    [ Create Account ]
    [ Login ]
    [ Contact Forum Admin ]


    Forum timezone: GMT+0
    VF Version: 3.00b, ConfDB:
    Before posting please read our privacy policy.
    VoyForums(tm) is a Free Service from Voyager Info-Systems.
    Copyright © 1998-2019 Voyager Info-Systems. All Rights Reserved.