VoyForums
[ Show ]
Support VoyForums
[ Shrink ]
VoyForums Announcement: Programming and providing support for this service has been a labor of love since 1997. We are one of the few services online who values our users' privacy, and have never sold your information. We have even fought hard to defend your privacy in legal cases; however, we've done it with almost no financial support -- paying out of pocket to continue providing the service. Due to the issues imposed on us by advertisers, we also stopped hosting most ads on the forums many years ago. We hope you appreciate our efforts.

Show your support by donating any amount. (Note: We are still technically a for-profit company, so your contribution is not tax-deductible.) PayPal Acct: Feedback:

Donate to VoyForums (PayPal):

19/01/21 17:53:28Login ] [ Contact Forum Admin ] [ Main index ] [ Post a new message ] [ Search | Check update time | Archives: 1234[5]6789 ]
Subject: Banco de Portugal


Author:
Eugénio Rosa
[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]
Date Posted: 25/04/07 10:00:11

Banco de Portugal abandonou independência e rigor técnico e entrou na campanha para rebaixar salários e liberalizar despedimentos
por Eugénio Rosa [*]

RESUMO DESTE ESTUDO

O Banco de Portugal, abandonou a independência e o rigor técnico a que está obrigado. No seu Boletim Económico – Primavera 2007 entrou na campanha de propaganda em curso para baixar ainda mais os salários, liberalizar os despedimentos individuais e reduzir a protecção aos desempregados. Para o Banco de Portugal (BP) a "rigidez salarial" passou a ser um obstáculo que impede que as empresas se adaptem à situação actual; os elevados subsídios de desemprego bem como a sua excessiva duração (?) são a causa do desemprego; e a insuficiente flexibilidade do mercado do trabalho constitui uma razão para a diminuição do investimento empresarial. Tudo isto, na linha do neoliberalismo puro e duro de importação que domina actualmente o pensamento económico oficial, foi depois multiplicado acriticamente pelos media afectos ao poder económico e politico como fosse uma verdade absoluta numa clara manipulação da opinião pública.

Num estudo recente do Banco Central Europeu (BCE), citado numa publicação do Ministério do Trabalho e da Segurança Social editada em 2006, sobre a rigidez salarial o BCE concluiu precisamente o contrário, ou seja que "o mercado de trabalho português está entre os menos rígidos da zona euro ao analisar a elasticidade dos salários reais no período de 1994-2001 relativamente à taxa de desemprego (-0,247)". De acordo com o próprio Boletim do Banco de Portugal os salários reais diminuíram -1% entre 2002 e 2006 (na Administração Pública a quebra foi muito maior). No entanto Victor Constâncio considera que é ainda insuficiente, e que a descida devia ser muito maior, e ser nos próprios salários nominais, ou seja, um "choque salarial" que foi defendido em Portugal, em Dezembro de 2006, pelo neoliberal Olivier Blanchard do MIT /USA.

Em relação à rigidez do mercado de trabalho português também criticada pelo BP, a análise da evolução da população activa em situação precária, no período 2001-2006, mostra que a rigidez do mercado de trabalho também não corresponde à verdade. A confirmar isso, está o aumento significativo da precariedade em Portugal. Entre 2001 e 2006, a população activa na situação de precariedade aumentou de 35,8% para 38,4% da população activa total, tendo alcançado 2.155.100 no fim do 4º Trimestre de 2006, o que mostra que o mercado de trabalho é flexível à custa da estabilidade do emprego dos trabalhadores.

Um dos argumentos mais utilizados para justificar a redução dos direitos aos trabalhadores tem sido a baixa produtividade do trabalho em Portugal. No entanto, fala-se sempre da baixa produtividade do trabalho, mas não se fala da baixa produtividade do capital, que é um dos problemas mais graves que o nosso País enfrenta actualmente, até devido à quebra acentuada do investimento verificada nos últimos 4 anos (-15%). Em relação à produtividade do capital o silêncio tem sido absoluto. E isto porque falar desta produtividade tornar-se-ia visível, a nível da opinião pública, a responsabilidade dos empresários. Entre 2000 e 2004, segundo o INE, a produtividade do capital diminuiu em Portugal nas empresas com menos de 100 trabalhadores em -36,8% e, nas com 100 ou trabalhadores, a quebra atingiu -43,2%. A produtividade do trabalho embora tenha aumentado pouco (0,6% ao ano), no entanto cresceu sempre.

Quando se fazem comparações internacionais sobre produtividade esquece-se de comparar as remunerações, porque se isso fosse feito as conclusões já seriam muito diferentes. Por ex., em 2005, de acordo com dados do Eurostat, a produtividade do trabalho media comunitária era superior à portuguesa em 51%, mas o custo da mão-de-obra médio comunitário era superior ao português em 74%. Pode-se assim dizer, para aquilo que os trabalhadores portugueses recebem, eles ainda têm uma produtividade superior à média comunitária.

A produtividade do trabalho é uma medida parcial como afirma a própria OCDE, porque nela se reflecte a influência de muitos outros factores (tecnologia, organização da empresa, etc.). A provar isso, está o facto de que num conjunto de 12 empresas pertencentes ao grupo das 500 maiores empresas que existem em Portugal, a produtividade na melhor (Petrogal) é superior em 24 vezes à verificada na última da escala (Yazaki). Fica assim claro que a produtividade do trabalho não depende fundamentalmente do trabalhador, porque se dependesse não se verificariam diferenças tão grandes na produtividade entre empresas que funcionam em Portugal como sucede.

O Banco de Portugal, dirigido pelo socialista Victor Constâncio, abandonou o rigor técnico e a independência, e entrou abertamente na campanha, ao lado do governo e do patronato, para reduzir ainda mais os salários e para liberalizar os despedimentos individuais. No seu Boletim Económico da Primavera (Abril de 2007), na pág. 36, pode-se ler o seguinte: "a rigidez salarial no mercado de trabalho português, uma das mais elevadas da União Europeia, não facilita o ajustamento das empresas a choques negativos sobre a procura dos seus produtos, especialmente tendo em conta que a legislação laboral dificulta a adaptação do número de trabalhadores à evolução da actividade das empresas". E na pág. 37 acrescenta: "a elevada cobertura financeira do regime de subsidio de desemprego, bem como a significativa duração potencial das suas prestações , estarão igualmente a contribuir para a manutenção de um nível considerável de desemprego de longa duração". E como tudo isto já não fosse suficiente ainda escreve, na pág. 42, o seguinte: "O quadro institucional, caracterizado por uma insuficiente flexibilidade nos mercados … o trabalho, tem igualmente penalizado o investimento empresarial".

Assim, para o Banco de Portugal, seria a rigidez salarial, ou seja, a impossibilidade de baixar os salários nominais, porque os reais têm diminuído, a causa da crise das empresas; seria o valor elevado dos subsídios de desemprego e a sua excessiva duração a causa do elevado desemprego existente; e seria finalmente ainda a insuficiente flexibilidade no mercado do trabalho (o mesmo argumento está a ser utilizado pela Comissão da União Europeia na sua campanha da "flexigurança" visando liberalizar os despedimentos individuais) a causa da quebra do investimento. Portanto, causas que coincidem com as apontadas pelo pensamento económico neoliberal para exigir mais desregulamentação, menos protecção para os trabalhadores e desempregados, e mais desigualdades. Estes aspectos das teorias neoliberais mais serôdias e duras foram depois repetidos maciçamente pelos órgãos de informação afectos ao poder económico e politico (jornais e TVs), que tiveram o cuidado de eliminar todo pensamento económico discordante, procurando assim fazer passar e transformar aquelas mentiras neoliberais em verdades absolutas. Desta forma assistiu-se e assiste-se a uma verdadeira campanha de manipulação da opinião pública alimentada e fomentada pelo próprio Banco de Portugal visando o agravamento das condições de vida dos trabalhadores e dos desempregados.

SOBRE A RIGIDEZ DOS SALÁRIOS EM PORTUGAL

É interessante e esclarecedor comparar a afirmação do Banco de Portugal sobre a rigidez salarial com uma outra do Banco Central Europeu sobre a mesma matéria. Num estudo publicado pelo Ministério do Trabalho e da Segurança Soicial, em Novembro de 2006, com o titulo "Flexibilidade e segurança no mercado de trabalho português", na pág. 22 pode-se ler o seguinte: "Um estudo recente publicado pelo Banco Central Europeu conclui que o mercado de trabalho português está entre os menos rígidos da zona euro ao analisar a elasticidade dos salários reais no período de 1994-2001 relativamente à taxa de desemprego (-0,247)" . E o próprio Ministério do Trabalho conclui: "Tendo em conta que o emprego tem crescido em Portugal ao mesmo tempo que o desemprego pode ganhar a sustentação uma tese que defende que esse ajustamento pelo preço tem sido obtido, pelo menos em parte, com recurso a movimentos de flexibilidade externa, através da substituição dos trabalhadores por outros dispostos a aceitar salários mais baixos, oriundos do desemprego ou da inactividade" (pág. 23). E isto é em relação aos salários nominais, porque relativamente aos salários reais a situação é ainda mais grave.

AUMENTO SIGNFICATIVO DA PRECARIEDADE EM PORTUGAL

Contrariamente ao que afirma o Banco de Portugal, a rigidez do mercado do trabalho em Portugal não é elevada. O crescimento rápido da precariedade no nosso País prova isso. O quadro seguinte, construído com dados das Estatísticas do Emprego do INE, mostra o aumento significativo da precariedade em Portugal.

Tabela 1.

Entre 2001 e 2006, a população activa aumentou 4,9%, mas a população activa precária cresceu 14,6%, ou seja, percentualmente 3 vezes mais. Em valor absoluto, a população precária atingia, no fim de 2006, já 2.151.100 portugueses, o que correspondia a 38,4% da população activa total, tendo aumentado 3,3 pontos percentuais entre 2001 e 2006. Afirmar, como faz o Banco de Portugal, que "o quadro institucional caracteriza-se por uma insuficiente flexibilidade nos mercados do trabalho" é fechar os olhos e procurara branquear a realidade.

O CUSTO DO TRABALHO E A PRODUTIVIDADE DO TRABALHO EM PORTUGAL E NA UE25

Para atacar os direitos dos trabalhadores, um dos argumentos mais utilizadas é a baixa produtividade do trabalho em Portugal quando se compara com a media comunitária. No entanto, nestas comparações esquece-se sistematicamente de comparar também as remunerações. O quadro seguinte, construído com dados publicados pelo Eurostat, mostra que a realidade é outra quando se compara simultaneamente produtividade do trabalho e custo da mão de obra de Portugal com a média comunitária.

Tabela 2.

Para anular os efeitos da diferença de preços que se verificam entre os diferentes países da União Europeia, utilizou-se valores PPC (Paridade Poder de Compra). E depois tomando como base Portugal (PT=100), os dados do Eurostat mostram que o custo de mão-de-obra (e tenha-se presente que este não inclui apenas as remunerações, mas sim todos os custos com o trabalho, remunerações e outras despesas); repetindo tomando como base o valores de Portugal, conclui-se que , em 2005, a produtividade média do trabalho na União Europeia era superior à portuguesa em 51%, mas o custo da mão de obra era maior do que o português em 74%. Idêntica relação se verifica relativamente a outros países também constantes do quadro anterior Portanto, em conclusão, para o que recebem os trabalhadores portugueses, a produtividade em Portugal até era superior à média comunitária.

A DESCIDA SIGNIFICATIVA DA PRODUTIVIDADE DO CAPITAL EM PORTUGAL

Na campanha para reduzir salários e liberalizar os despedimentos levada a cabo pelo Banco de Portugal, pela Comissão Europeia com a sua "flexigurança" , pelo governo (recorde-se o Relatório OE2006, onde o governo defende que o aumento da competitividade da economia tem de ser alcançado com a contenção dos salários), e naturalmente também pelo patronato, um dos argumentos mais utilizados é precisamente o da produtividade. E relativamente a esta refere-se sempre à produtividade do trabalho, como fosse a única forma de a calcular. E isto porque assim se associa rapidamente aos trabalhadores criando a falsa ideia de que baixa produtiva portuguesa se deve exclusivamente a eles, o que não corresponde à verdade. Como consta no Manual da OCDE sobre produtividade, "a produtividade do trabalho é uma medida parcial que reflecte a influência conjunta de um grande número de factores" (pág. 14), nomeadamente tecnologia, organização das empresas, economias de escala, inovação, etc.

Nesta campanha de manipulação da opinião pública, a produtividade do trabalho, associando naturalmente aos trabalhadores, é apresentada como causa de todos os problemas. Em primeiro lugar, interessa ter presente que a produtividade não é uma causa, mas sim uma medida. Obtém-se dividindo o produto obtido pelos recursos utilizados, e não apenas do trabalho. Em segundo lugar, interessa recordar que a produtividade pode ser calculada de diferentes maneiras (para além da produtividade do trabalho, pode-se e deve-se calcular a produtividade do capital, a produtividade multifactorial, a produtividade global). Em terceiro lugar, tão grave ou ainda mais grave em Portugal, do que a baixa produtividade do trabalho, é a quebra acentuada que se tem verificado na produtividade do capital.

O quadro seguinte, construído com dados divulgados pelo INE, mostra a elevadas quebra verificada entre 2000 e 2004 (são os últimos dados disponíveis) em Portugal.

Tabela 3.

Nos últimos anos a produtividade do trabalho tem aumentado em Portugal, embora pouco. Em 2005 e em 2006 cresceu anualmente 0,6%. Mas a produtividade do capital, obtida dividindo o VAB pelo valor do capital fixo utilizado (valor do equipamentos e instalações utilizadas) sofreu uma forte quebra. Assim, entre 2000 e 2004, a produtividade do capital diminuiu, segundo o INE, nas empresas com menos de 100 trabalhadores, 36,8%, e nas com 100 ou mais trabalhadores a quebra na produtividade do capital atingiu 43,2%. São valores muito elevados, mas que ninguém fala deles, apesar de ter consequências graves para o País. E isto porque para obter a mesma quantidade de produto tem-se de utilizar muito mais capital fixo. Se se tiver presente que a partir de 2002 se tem verificado em Portugal uma forte quebra no investimento (entre 2002 e 2006, a FBCF diminuiu -15%), rapidamente se conclui da gravidade do problema. No entanto, apesar de tudo isto ser grave, não se fala da produtividade do capital. E isto porque se a evolução da produtividade do capital fosse conhecida, naturalmente a responsabilidade do empresário tornar-se-ia mais evidente para a opinião pública. Ao se falar apenas da produtividade do trabalho, torna-se mais fácil responsabilizar os trabalhadores por ela, ocultando-se que ela é originada por muitos outros factores que não são da sua responsabilidade. A provar isso está a grande variação que se verifica na produtividade do trabalho entre as empresas que funcionam no nosso País. O quadro seguinte, onde se encontra calculada a produtividade do trabalho relativa a 12 do grupo 500 maiores empresas a funcionar em Portugal, prova precisamente essa facto.

Tabela 4.

A produtividade do trabalho na Petrogal é 24 vezes superior à que se registava na Yazaki. Mesmo dentro do mesmo sector – têxtil – a produtividade da "FISIPE " é 40% superior à da "Lameirinhos". É evidente que esta diferença tão grande na produtividade do trabalho entre as diversas empresas a funcionar em Portugal só poderá ser explicada por factores que nada têm ver com os trabalhadores. Referem-se fundamentalmente à tecnologia utilizada, à organização da empresa, à liderança, à inovação, ao sector que se situa, às economias de escala, etc.. Por exemplo, a importância de sectores de actividade de baixa produtividade como são os têxteis e a construção civil, a desindustrialização que se tem verificado em Portugal, assim como a quebra acentuada no investimento contribuem fortemente para a baixa produtividade verificada

Fica assim claro que não é reduzindo os salários ou liberalizando os despedimentos individuais, como defende o Banco de Portugal, que o emprego, o investimento e a produtividade aumentarão em Portugal. O que poderá suceder é precisamente o contrário, ou seja, o aumento do desemprego e a quebra na actividade económica, esta última determinada por uma maior generalização da pobreza e a consequente redução do mercado interno.
21/Abril/2007
[*] Economista, edr@mail.telepac.pt . Neste estudo utilizaram-se dados da nossa intervenção no seminário sobre "Produtividade" organizado pela Comissão de Trabalho e Segurança Social da Assembleia da República realizado em 17/04/2007.

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .

[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]


Post a message:
This forum requires an account to post.
[ Create Account ]
[ Login ]
[ Contact Forum Admin ]


Forum timezone: GMT+0
VF Version: 3.00b, ConfDB:
Before posting please read our privacy policy.
VoyForums(tm) is a Free Service from Voyager Info-Systems.
Copyright © 1998-2019 Voyager Info-Systems. All Rights Reserved.