VoyForums
[ Show ]
Support VoyForums
[ Shrink ]
VoyForums Announcement: Programming and providing support for this service has been a labor of love since 1997. We are one of the few services online who values our users' privacy, and have never sold your information. We have even fought hard to defend your privacy in legal cases; however, we've done it with almost no financial support -- paying out of pocket to continue providing the service. Due to the issues imposed on us by advertisers, we also stopped hosting most ads on the forums many years ago. We hope you appreciate our efforts.

Show your support by donating any amount. (Note: We are still technically a for-profit company, so your contribution is not tax-deductible.) PayPal Acct: Feedback:

Donate to VoyForums (PayPal):

19/01/21 19:34:07Login ] [ Contact Forum Admin ] [ Main index ] [ Post a new message ] [ Search | Check update time | Archives: 1234[5]6789 ]
Subject: Advogado uruguaio pede a prisão de Kissinger


Author:
Marco Aurélio Weissheimer
[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]
Date Posted: 18/05/07 11:38:46



Advogado uruguaio pede a prisão de Kissinger



Marco Aurélio Weissheimer

Carta Maior



O advogado uruguaio, Gustavo Salle, solicitou à Suprema Corte de Justiça que faça um pedido de captura internacional, prisão e extradição do ex-secretário de Estado dos Estados Unidos (1973-1977), Henry Kissinger, como «autor intelectual» do Plano Condor, operação coordenada de repressão [por parte] das ditaduras do Cone­ Sul contra militantes de esquerda, informa matéria da agência italiana ANSA. Segundo o advogado declarou à ANSA, existem «provas semi-plenas» nos processos de investigação sobre as violações dos direitos humanos durante as ditaduras do Cone Sul. Essas provas – ainda incompletas - vinculam, segundo ele, Kissinger com a autoria intelectual do Plano Condor, durante as décadas de 70 e 80.



Salles é advogado de defesa de Bernardo Arnone, um militante de esquerda do Partido por la Victoria del Pueblo de Uruguay (PVP), desaparecido em 1976, e também do caso que levou à prisão no ano passado cinco oficiais do exército e dois ex-polícias pelo desaparecimento, também em 1976, dos militantes do PVP, Alberto Mechoso e Adalberto Soba.



A Operação Condor consistiu em um sistema de cooperação entre as ditaduras militares do Chile, Argentina, Uruguai, Paraguai, Bolívia e Brasil para perseguir e executar opositores desses regimes. O pretexto era o argumento clássico da Guerra Fria: “deter o avanço do comunismo internacional”. Auxiliados técnica, política e financeiramente por oficiais do Exército dos Estados Unidos, os militares sul-americanos passaram a agir de forma integrada, trocando informações sobre opositores considerados perigosos e executando acções de prisão e/ou extermínio. A operação deixou cerca de 30 mil mortos e desaparecidos na Argentina, entre 3 mil e 7 mil no Chile e mais de 200 no Uruguai, além de outros milhares de prisioneiros e torturados em todo o continente.



Na contabilidade macabra de mortos e desaparecidos, o Brasil registrou o menor número de vítimas durante a ditadura militar, comparado com o que aconteceu nos outros países da região. No entanto, documento secretos divulgados recentemente no Paraguai e nos EUA mostraram que os militares brasileiros tiveram participação activa na organização da repressão em outros países, como, por exemplo, na montagem do serviço secreto chileno, a DINA. Esses documentos mostram que oficiais do hoje extinto Serviço Nacional de Informações (SNI) ministraram cursos de técnicas de interrogatório e tortura para militares chilenos.



Os militares que coordenaram a Operação Condor também receberam “apoio técnico” de especialistas norte­‑americanos, ligados à CIA e à Escola das Américas, instituição criada para formar militares do continente na “guerra ao comunismo”. Essa Escola tornou-se uma espécie de universidade da tortura na América Latina. Segundo o relatório “Brasil, nunca mais”, pelo menos 1.918 prisioneiros políticos declararam ter sido torturados entre 1964 e 1979, no Brasil. Esse documento descreve 283 diferentes formas de tortura utilizadas pelos órgãos de segurança na época, muitas delas ainda adoptadas em delegacias contra presos comuns.



A ACTUAÇÃO DE KISSINGER NO COMITÉ 40



O advogado Gustavo Salle garante que existem provas que incriminam Kissinger, lembrando que ele presidiu entre 1969 e 1976 ao “Comité 40”, uma organização «de caráter semi-clandestino de ligação entre a Casa Branca e a CIA para realizar a desestabilização de governos que não estavam de acordo com os interesses norte­‑americanos». «É um facto absolutamente objectivo a existência de gravações e outras provas que envolvem Kissinger com os golpes de Estado na América do Sul e sua eventual participação nos assassinatos dos generais chilenos Carlos Prats e Orlando Letelier e o possível envenenamento do ex-presidente Eduardo Frei», afirmou Salle.



Segundo ele, «existem elementos suficientes para provar a autoria intelectual e execução por parte de Kissinger de um plano imposto pelos EUA no âmbito da doutrina de segurança nacional, dentro da Guerra Fria e no teatro de operações que foi a América do Sul, com militares sul-americanos». A Suprema Corte de Justiça do Uruguai deverá avaliar a possibilidade de solicitar provas ou determinar o arquivamento do pedido.



Nos últimos anos, foram divulgados diversos documentos relativos ao funcionamento da Operação Condor. Em 1992, documentos da polícia secreta do Paraguai, mostraram detalhes do funcionamento da Operação Condor, registrando como acordos entre os governos militares legitimavam a busca, captura, trocas de prisioneiros, torturas, desaparecimentos e assassinatos de militantes políticos, independente das suas nacionalidades.



O sequestro dos uruguaios Lilian Celiberti e Gumercindo Diaz, em Porto Alegre, foi um caso emblemático desse modo de operação. Em Novembro de 1978, Celiberti e Diaz viajaram a Porto Alegre para denunciar os crimes políticos da ditadura uruguaia. Ao chegarem à capital gaúcha, os dois, mais os filhos de Lilian, foram sequestrados por uma equipa de polícias brasileiros e uruguaios. Após alguns dias presos no RS, os quatro foram levados para o Uruguai. Na época, o caso foi denunciado pelos jornalistas Luiz Cláudio Cunha e João Batista Scalco, da revista Veja.



As prisões de Flávio Koutzi e Flávia Schilling, ambos brasileiros, detidos na Argentina e no Uruguai, respectivamente, foram outros casos que envolveram a actuação coordenada dos aparatos de repressão. Segundo os documentos encontrados no Paraguai, a colaboração entre as ditaduras do Cone Sul já existia desde 1965. Como resultado dessa operação, milhares de cidadãos, trabalhadores, agricultores e dirigentes políticos foram mortos ou dados como desaparecidos. Segundo os documentos conhecidos até hoje, o Paraguai funcionou como o centro de operações do sistema.



O JULGAMENTO DE KISSINGER



O jornalista britânico Christopher Hitchens publicou um livro sobre a participação de Kissinger nestes episódios. O julgamento de Kissinger, publicado no Brasil pela Boitempo Editorial, faz uma série de acusações contra o ex­‑secretário de Estado dos EUA. No prefácio da obra, ele afirma: «Quando surgiu no que hoje parece ser a pré­‑histórica primavera de 2001, este livro provocou certo desprezo de alguns sectores, e por duas razões. Alguns recusaram­‑se a acreditar que as evidências apresentadas contra Henry Kissinger pudessem ser verdadeiras. Outros, ainda que admitindo a veracidade dos documentos oficiais, mesmo assim duvidavam da simples ideia de colocar figura tão poderosa ao alcance da lei.»



Hitchens chama a atenção, entre outras coisas, para a preocupação manifestada por Kissinger, no livro Os EUA precisam de uma nova política externa?, com os riscos de uma nova doutrina legal de jurisdição universal, como a que está a tentar-se construir no Tribunal Penal Internacional. Em Maio de 2001, registra o autor, Kissinger estava em Paris quando foi surpreendido pela visita de um polícia francês que o convocou a comparecer no dia seguinte à Justiça para depor sobre o desaparecimento de cinco cidadãos franceses no Chile. Na tarde do mesmo dia, Kissinger saiu da França para evitar o depoimento.



Uma das acusações detalhadas por Hitchens no seu livro é aquela feita pela Corte Federal dos EUA, que apontou o ex-secretário de Estado como responsável pela execução sumária do general chileno René Schneider. O Arquivo de Segurança Nacional intimou-o a devolver cerca de 50 mil páginas de documentos públicos sobre o caso.



“UM VELHO AMIGO QUE AJUDOU A MUDAR O MUNDO”



A trajectória de Kissinger teve um episódio polémico recente no Brasil. Numa conferência realizada em Washington, em 2005, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso saudou Henry Kissinger como um «velho amigo» que «ajudou a mudar o mundo». Na ocasião, Fernando Henrique afirmou:



«A combinação entre pensamento e acção é algo que sempre admirei em qualquer pessoa. Henry Kissinger é um homem de alto intelecto. E ele é, inegavelmente, um homem de acção. Ele é uma dessas raras espécies de homens que podem traduzir pensamento estratégico em políticas públicas e medidas concretas, de um modo exitoso. A sua produção académica só encontra paralelo na contribuição para a política externa dos EUA, ajudando a mudar o mundo, especialmente nos anos 70».



Em Fevereiro de 2002, quando era presidente da República, Fernando Henrique tentou homenagear Kissinger com a medalha da Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul (condecoração destinada a estrangeiros que se tenham tornados dignos de reconhecimento da nação brasileira). Kissinger desistiu de viajar a São Paulo, onde receberia a medalha, após a divulgação de um abaixo-assinado de repúdio à visita e da convocação de um acto de protesto.



Com informações da Agência ANSA

[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]


Post a message:
This forum requires an account to post.
[ Create Account ]
[ Login ]
[ Contact Forum Admin ]


Forum timezone: GMT+0
VF Version: 3.00b, ConfDB:
Before posting please read our privacy policy.
VoyForums(tm) is a Free Service from Voyager Info-Systems.
Copyright © 1998-2019 Voyager Info-Systems. All Rights Reserved.