VoyForums
[ Show ]
Support VoyForums
[ Shrink ]
VoyForums Announcement: Programming and providing support for this service has been a labor of love since 1997. We are one of the few services online who values our users' privacy, and have never sold your information. We have even fought hard to defend your privacy in legal cases; however, we've done it with almost no financial support -- paying out of pocket to continue providing the service. Due to the issues imposed on us by advertisers, we also stopped hosting most ads on the forums many years ago. We hope you appreciate our efforts.

Show your support by donating any amount. (Note: We are still technically a for-profit company, so your contribution is not tax-deductible.) PayPal Acct: Feedback:

Donate to VoyForums (PayPal):

19/01/21 18:54:04Login ] [ Contact Forum Admin ] [ Main index ] [ Post a new message ] [ Search | Check update time | Archives: 1234[5]6789 ]
Subject: Associações pedem legislação que leve em conta a existência de "formas atípicas de emprego"


Author:
Natália Faria (Público, 27.05.2007)
[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]
Date Posted: 28/05/07 12:00:12

É indesmentível: a realidade do emprego em Portugal está a mudar. Entre os que folheiam os anúncios dos jornais em busca de emprego, poucos serão os que não esbarraram já com designações como trabalho temporário, merchandising e contact centers. E as associações representativas destes sectores, que somam mais de 200 mil trabalhadores, começam agora a reclamar, a uma só voz, uma legislação desenhada à medida. Objectivo: ver consagrado na lei o direito de estabelecerem contratos de trabalho mais flexíveis e de curta e curtíssima duração.
O próprio Observatório de Emprego e Formação Profissional (OEFP) divulgou, em Fevereiro, um relatório em que aponta o dedo à incapacidade de a legislação laboral enquadrar "as novas formas jurídicas e factuais de emprego que se afastam dos modelos tradicionais e configuram práticas relativamente recentes". "É imprescindível estabelecerem-se regras de articulação com o serviço público de emprego, enquadrando na sua órbita empresas como as de trabalho temporário, recrutamento, selecção e executive search e outplacement", lê-se no documento.
A consequência da actual falta de enquadramento legal - dizem as associações e corrobora o OEFP - é a proliferação de empresas ilegais, cujo denominador comum é a fuga ao fisco e outras obrigações. Do lado dos trabalhadores, somam-se os exemplos de trabalho a troco de pouco dinheiro e sem direito a recibo, horas extras não retribuídas, ausência de direito a férias e ameaça de despedimento.
Mas, em nome da moralização do sector, o Estado deve ou não responder a essas reivindicações de flexibilização das relações laborais? "A legislação tem que conter a dupla perspectiva da flexibilidade, mas também da segurança do trabalhador", reequaciona Fátima Suleman, professora auxiliar do Departamento de Economia do Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE). A docente admite a pertinência de uma legislação que permita o emprego de duração determinada desde que ao trabalhador "seja garantida a formação que lhe garanta empregabilidade". "Se o indivíduo que passa por contratos atípicos de emprego não puder mudar o portfólio de competências para poder transitar de emprego para emprego, deixamos essa parte do mercado completamente desprotegida", insiste.
Por outro lado, para a investigadora, as empresas devem usar com parcimónia os contratos com termo e de curta duração, porque também aqui há uma factura a pagar. "A aquisição para as organizações de competências específicas leva tempo e uma relação de curta duração não permite ao trabalhador o envolvimento na organização", alerta, defendendo que, "tirando as situações em que a actividade assim o exige, o recurso a contratos flexíveis não é tão benéfico quanto possa parecer, porque uma pessoa que tenha com contrato precário ad aeternum numa organização também não vai permitir que esta crie o seu portfolio de competências".
Considerando que "as formas atípicas de emprego estão a normalizar-se", a investigadora diz que o mercado português tem caminhado no sentido da "remercantilização", isto é, "a permitir que a mão-de-obra seja gerida numa lógica de mercado". Dito de outro modo, passou-se de um cenário em que o normal era o trabalhador entrar numa empresa, fazer carreira e sair no momento da reforma, para outro em que as empresas reivindicam o direito a recrutar e despedir trabalhadores sem custos.
E, longe de fazer coro com os que decretaram a morte definitiva do emprego único para a vida, Fátima Suleman prefere acreditar que a longevidade do emprego passou a depender do trabalhador. "Há uma componente de responsabilidade individual que saiu muito reforçada: se o indivíduo se empenhar na sua formação e se mantiver actualizado, não acredito que a organização o deixe ir embora; portanto, passa a depender do próprio indivíduo manter-se ou não no emprego".

[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]


Post a message:
This forum requires an account to post.
[ Create Account ]
[ Login ]
[ Contact Forum Admin ]


Forum timezone: GMT+0
VF Version: 3.00b, ConfDB:
Before posting please read our privacy policy.
VoyForums(tm) is a Free Service from Voyager Info-Systems.
Copyright © 1998-2019 Voyager Info-Systems. All Rights Reserved.