VoyForums
[ Show ]
Support VoyForums
[ Shrink ]
VoyForums Announcement: Programming and providing support for this service has been a labor of love since 1997. We are one of the few services online who values our users' privacy, and have never sold your information. We have even fought hard to defend your privacy in legal cases; however, we've done it with almost no financial support -- paying out of pocket to continue providing the service. Due to the issues imposed on us by advertisers, we also stopped hosting most ads on the forums many years ago. We hope you appreciate our efforts.

Show your support by donating any amount. (Note: We are still technically a for-profit company, so your contribution is not tax-deductible.) PayPal Acct: Feedback:

Donate to VoyForums (PayPal):

19/01/21 19:17:58Login ] [ Contact Forum Admin ] [ Main index ] [ Post a new message ] [ Search | Check update time | Archives: 1234[5]6789 ]
Subject: Apodrecimento imperial


Author:
James Petras
[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]
Date Posted: 29/05/07 11:08:54


Apodrecimento imperial
por James Petras

Cartoon de Latuff. Washington delineou em linguagem explícita os seus planos para envolver-se em guerras sequenciais no Médio Oriente, no Sudoeste e Nordeste da Ásia e no Caribe. De acordo com a doutrina militar ofensiva das 'Guerras antecipativas' (pre-emptive) e da 'Guerra global contra o terrorismo', a busca pelos Estados Unidos de conquistas militares foi apoiada por Israel, Grã-Bretanha e vários recém-incorporados Estados clientes da Europa Oriental. O grandioso esquema de conquista do mundo da Casa Branca foi orquestrado e prematuramente celebrado pelos principais responsáveis Sioncon (Sionistas conservadores) incrustados no Pentágono, na Casa Branca e no Conselho de Segurança Nacional.

Contudo, o caminho para as guerras imperiais de conquistas foi literalmente travado no próprio ponto de partida: o Iraque e o Afeganistão. A seguir à invasão e ocupação americana do Iraque e do Afeganistão, uma resistência armada maciça emergiu da clandestinidade, ajudada por um apoio civil generalizado. Grandes maiorias da opinião pública, comunidades religiosas importantes, militantes sindicais, associações de pequenos negócios e organizações com base em comunidades de vizinhança opuseram-se a cada passo, activa e passivamente, às forças de ocupação dirigidas pelos EUA, proporcionando apoio logístico e inteligência à resistência armada e à não violenta. Tais desenvolvimentos tiveram lugar numa fase posterior no Afeganistão. Apesar de medidas draconianas, incluindo o bombardeamento de centros populacionais, sistemáticas rusgas em massa de civis seguidas por torturas brutais, os militares americanos fracassaram na consolidação do seu domínio através de regimes fantoches. Como a resistência cresceu, os esforços de Washinton para fomentar a guerra sectária étnico-religiosa e a fragmentação territorial fracassaram. No fim de 2006 estava claro que a única conquista de território do exército imperial eram os bunkers na chamada 'Zona verde'. Em 2007 Washington escalou seu comprometimento com tropas num esforço desesperado a fim de evitar a derrota iminente e recuperar a perda maciça de apoio interno.

De uma perspectiva histórica mundial, a resistência iraquiana e afegã frustrou com êxito a busca por Washington da dominação mundial da parte através de uma série de guerras ofensivas. O êxito dos movimentos de libertação nacional levaram a uma super-extensão das forças armadas imperiais dos EUA, enfraquecendo esforços para lançar as programadas guerras no terreno contra o Irão, a Síria e alhures. A resistência prolongada levou ao crescimento da oposição interna em face das infindáveis baixas americanas e do disparo nos custos financeiros.

A desmoralização da infantaria americana e da Guarda Nacional impediu Washington de dar sequência ao seu fracassado golpe contra o presidente venezuelano Hugo Chávez através de uma invasão militar directa.

A prolongada guerra no Afeganistão, a deteriorar-se, com os avanço dos combatentes guerrilheiros reagrupados, especialmente entre a população civil, levou a coligação colonial controlada pelos EUA a dedicar-se ao bombardeamento indiscriminado de civis, aumentando o crescimento da resistência anti-colonial.

O êxito dos movimentos de resistência no Iraque e no Afeganistão e a atracção dos seus exemplos encorajou novas e formidáveis lutas anti-coloniais, lideradas pelo Hizbollah no Líbano, pelo Hamas na Palestina, pela União de Tribunais Islâmicos na Somália, assim como endureceu a resolução dos líderes iranianos de resistir às exigências americanas de suspenderem unilateralmente o seu programa nuclear. Em pontos mais distantes, o enfraquecimento da capacidade interventora global dos militares americanos aliviou a pressão sobre os governos progressistas na Venezuela e na Cuba revolucionária. A consolidação do governo nacionalista-populista venezuelano teve um poderoso impacto de demonstração por toda a América Latina, encorajando novos movimentos anti-imperialistas e governos dissidentes no Equador e além. Numa batalha de ideias, programas, ajuda externa e solidariedade, Bush está a perder para o presidente Chávez. Incapaz de lançar uma invasão militar em plena escala, para eliminar o governo Chávez, Washington fracassou em equiparar-se aos vastos subsídios em petróleo da Venezuela e nas prometidas propostas de integração alternativa: a ALBA prevaleceu sobre a ALCA.

O fracasso da vontade de Washington quanto a um império mundial levou ao encolhimento do seu poder relativo em comparação com a situação global anterior a 2001. E em grande parte isto se deve à capacidade de combate e à resistência organizada no Iraque e no Afeganistão: Ambos demonstraram que apesar da grande acumulação de armas para a guerra tecnológica e apesar dos monopólios de propaganda dos media, as guerras são decididas no terreno, pelas maiorias populares directamente afectadas. São elas que põem em movimento a conversão das entusiásticas maiorias internas nos EUA, favoráveis à guerra, em desmoralizadas minorias; são elas que dão determinação e resiliência aos governos do Médio Oriente vacilantes entre a colaboração e a rejeição das potências coloniais.
26/Maio/2007
O original encontra-se em http://www.counterpunch.org/petras05262007.html

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .
29/Mai/07

[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]


Post a message:
This forum requires an account to post.
[ Create Account ]
[ Login ]
[ Contact Forum Admin ]


Forum timezone: GMT+0
VF Version: 3.00b, ConfDB:
Before posting please read our privacy policy.
VoyForums(tm) is a Free Service from Voyager Info-Systems.
Copyright © 1998-2019 Voyager Info-Systems. All Rights Reserved.