VoyForums
[ Show ]
Support VoyForums
[ Shrink ]
VoyForums Announcement: Programming and providing support for this service has been a labor of love since 1997. We are one of the few services online who values our users' privacy, and have never sold your information. We have even fought hard to defend your privacy in legal cases; however, we've done it with almost no financial support -- paying out of pocket to continue providing the service. Due to the issues imposed on us by advertisers, we also stopped hosting most ads on the forums many years ago. We hope you appreciate our efforts.

Show your support by donating any amount. (Note: We are still technically a for-profit company, so your contribution is not tax-deductible.) PayPal Acct: Feedback:

Donate to VoyForums (PayPal):

7/12/19 16:21:21Login ] [ Contact Forum Admin ] [ Main index ] [ Post a new message ] [ Search | Check update time | Archives: 1234567[8]9 ]
Subject: O lado escuro da medicina nanotecnológica


Author:
Silvia Ribeiro
[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]
Date Posted: 27/12/06 15:53:36


O lado escuro da medicina nanotecnológica
por Silvia Ribeiro [*]

"Sem dúvida, o maior problema sanitário que padecemos é o capitalismo e o afã do lucro que implica, com a sua extensa síndrome de pobreza e injustiça, o qual condena qualquer nova tecnologia a ser uma medicina elitista destinada àqueles que possam pagá-la".

. A convergência de novas tecnologias como a genómica e a nanotecnologia promete avanços que revolucionariam o sistema de diagnóstico e tratamento de muitas doenças que hoje, para a medicina convencional, são difíceis ou impossíveis de curar. Mas para além de avanços pontuais para aqueles que os possam pagá-los, o que está fora de dúvidas é que estes enfoques cada vez mais refinados e fragmentários estão a revolucionar a forma de fazer lucros no sector farmacêutico. Por exemplo: como ferramentas para prolongar a patente de medicamentos e portanto seu monopólio por parte das empresas. Por outro lado, a nanotecnologia parece estar a criar novos problemas de saúde e, paradoxalmente, desvia fundos que deveriam ser dedicados a problemas básicos de salubridade, prevenção e atenção primária da saúde, aspectos sobre os quais sabe-se com certeza que têm um impacto positivo amplo na saúde da maioria das populações.

Conforme documenta o recente relatório do Grupo ETC, Medicina nanológica: aplicaciones médicas de la nanotecnología ( www.etcgroup.org ), em meados de 2006 estavam na etapa de provas clínicas ou em distribuição comercial mais de 130 fármacos e sistemas de administração de medicamentos com base nanotecnológica, além de 125 dispositivos e reagentes de diagnóstico. Enquanto em 2005 o mercado da medicina nanotecnologicamente habilitada (incluindo fármacos, terapias e diagnósticos) foi de mil milhões de dólares estadunidenses, em 2010 atingiria os 10 mil milhões. A Fundação Nacional da Ciência dos EUA prevê que a metade do mercado de produtos farmacêuticos utilizará nanotecnologia em 2015.

Vejamos um exemplo: em Janeiro de 2005 a Food and Drug Administration (FDA) aprovou a utilização do medicamento Abraxene, formulado nanotecnologicamente para o tratamento do câncer. Meios especializados consideraram-no “um salto gigantesco para a nanotecnologia”. No dia seguinte, as acções da companhia que o desenvolveu, American Pharmaceutical Partners (agora chamada Abraxis Bio Science), subiram mais de 50 por cento e o seu presidente converteu-se nesse ano em multimilionário.

Em 1 de Outubro de 2006, Alex Berenson revelou no New York Times outros aspectos desta história. O Abraxene é uma formulação nanotecnológica do taxol (uma substância activa da árvore do disco, e certamente um caso de biopirataria), que já se usava contra o cancro da mama sob a patente monopólica da Bristol-Myers Squibb. A patente expirou em 2000 e começou-se a comercializar a versão genérica do taxol, chamada Paclitaxel, a 150 dólares por dose. O Abraxene é exactamente a mesma substância, mas ao ser administrada em nanopartículas cobertas de albumina provoca muito menos reacções alérgicas nos pacientes, o que sem dúvida é desejável. Entretanto, não tem nenhum efeito no prolongamento da vida do paciente nem outras vantagens terapêuticas. Quem realmente extrai o maior benefício é a empresa, que cobra 4200 dólares por cada dose de Abraxene (28 vezes mais que o genérico) e conseguiu estabelecer um novo monopólio de patente. Se este é o caso emblemático da medicina nanotecnológica, fica claro para onde esta se dirige.

Outras aplicações que estão em comercialização ou em desenvolvimento são, por exemplo, nano-sensores que circulam no corpo para detectar níveis de glucose, colesterol ou hormonas, nano-projécteis que alvejam células cancerosas, nanopartículas que vão a um sítio específico do organismo para administrar com precisão um medicamento, nano-partículas de prata com alto poder microbicida, armações nanométricas onde se estimula o crescimento de tecido ósseo e órgãos humanos.

Apesar de que estas aplicações poderiam ser úteis, todas elas vão acompanhadas não só da luta pelo monopólio e pelo afã de lucro daqueles que as põem no mercado como também pelas incertezas que a introdução de nanopartículas apresenta no organismo. Para onde vão as nanopartículas depois de cumprirem sua função? A mesma razão porque são úteis por não serem recusadas pelo facto de o sistema imunológico não as detectar constitui um problema em si mesmo, uma vez que não está claro o que acontece finalmente com estas pequeníssimas partículas nos organismos vivos e há cada vez mais evidências de toxicidade.

Um dado significativo é o anúncio da Environmental Protection Agency (EPA) dos Estados Unidos, em Novembro de 2006, de que a utilização de nanopartículas de prata deve ser regulamentada, porque podem implicar danos ambientais. Actualmente estas são comercializadas como desinfectantes anti-bacteriais, em lava-roupas, equipamentos de ar condicionado, purificadores de ar, refrigeradores, contentores de alimentos, eliminação de cheiro em calçados, entre outros. A EPA considera que durante a produção, utilização e/ou disposição final as nanopartículas chegam ao ambiente, cursos de água, etc e podem matar organismos benéficos, bem como entrar nas cadeias alimentares com efeitos imprevisíveis. Isto afecta também os que apresentam este tipo de soluções para a purificação de água e naturalmente o campo médico.

Sem dúvida, o maior problema sanitário que padecemos é o capitalismo e o afã do lucro que implica, com a sua extensa síndrome de pobreza e injustiça, o qual condena qualquer nova tecnologia a ser uma medicina elitista destinada àqueles que possam pagá-la. Nenhuma nova tecnologia poderá solucionar esta enfermidade social, mas tão pouco significa que por si mesma esteja livre de problemas. O que garante o capitalismo é que entrem no mercado sem discussão social e como se fossem êxitos, ainda que até criem novos problemas.
[*] Investigadora del Grupo ETC

O original encontra-se em http://www.jornada.unam.mx/2006/12/23/index.php?section=opinion&article=021a1eco

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .
27/Dez/06

[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]

Replies:
Subject Author Date
Análise curiosachato27/12/06 16:40:14


Post a message:
This forum requires an account to post.
[ Create Account ]
[ Login ]
[ Contact Forum Admin ]


Forum timezone: GMT+0
VF Version: 3.00b, ConfDB:
Before posting please read our privacy policy.
VoyForums(tm) is a Free Service from Voyager Info-Systems.
Copyright © 1998-2019 Voyager Info-Systems. All Rights Reserved.