VoyForums
[ Show ]
Support VoyForums
[ Shrink ]
VoyForums Announcement: Programming and providing support for this service has been a labor of love since 1997. We are one of the few services online who values our users' privacy, and have never sold your information. We have even fought hard to defend your privacy in legal cases; however, we've done it with almost no financial support -- paying out of pocket to continue providing the service. Due to the issues imposed on us by advertisers, we also stopped hosting most ads on the forums many years ago. We hope you appreciate our efforts.

Show your support by donating any amount. (Note: We are still technically a for-profit company, so your contribution is not tax-deductible.) PayPal Acct: Feedback:

Donate to VoyForums (PayPal):

25/02/24 21:14:33Login ] [ Contact Forum Admin ] [ Main index ] [ Post a new message ] [ Search | Check update time | Archives: 123456789 ]
Subject: Alvoroço no "socialismo"


Author:
Baptista Bastos
[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]
Date Posted: 11/11/07 11:10:00

Há tempos, o dr. António Vitorino, conhecido entre os seus camaradas, por "O Génio da Garrafa", timbrou uma frase que, por frívola, não deixava de ser arrogante: "Habituem-se!" O homem, levemente destemperado, queria dizer que os jornalistas, a partir daquela altura, estariam encarreirados pela agenda do Governo, e não o contrário.
Não comento a estultícia da afirmação. Recupero-a e remeto-a, por inteiro, para José Sócrates e seu conjunto, certamente alvoroçados pela publicação de duas sondagens que os coloca em queda, não direi livre, mas consideravelmente acentuada. Nem um ministro tem nota positiva. Sócrates, esse, então, é alvo de sério aviso, e, pelos indícios, começa a ser o princípio de uma recordação inquietante.

Alarmado com os resultados, Vítor Ramalho declarou à Imprensa: “É necessário dar mais atenção ao partido, ao ideário, à luta por valores e princípios, aos que sofrem. É preciso reencontrar causas que motivem as pessoas. A matriz socialista é indispensável como o pão para a boca". Ramalho é homem de bem, cauto e cortês, mas convém que não empurre para o olvido o pequeno pormenor histórico de que foi Mário Soares o primeiro a colocar o socialismo na gaveta. A matriz do PS qual é? A que foi fundada na Alemanha? Aquela cuja voz ecoava nas ruas de todo o País, numa palavra de ordem insistente e lírica: "Partido Socialista, Partido Marxista"? O "socialismo moderno" de Sócrates está associado ao "socialismo com turíbulo" de Guterres, tem semelhanças com o de Vítor Constâncio ou parecenças com o de - de quem? já pouco recordamos dos líderes de percurso.

Ferro Rodrigues tentou inflectir a trajectória do PS e fixá-lo num nível de exigência ideológica adequado ao nome político. Ambicionou fazer pedagogia política, e dizer que não se governa por estatísticas. Ferro procedia do antifascismo, opção por uma luta pela liberdade que parece, hoje, incomodar certa miuçalha. Homem honrado, sereno, culto e sério, o seu comportamento fundava-se nas evidências da verdade. Perante as derivas do partido, cuja actuação parcial, limitada e descaracterizada, apenas visava a conquista do poder, Ferro Rodrigues opunha o rigor dos princípios e a necessidade da batalha ideológica. Foi rapidamente armadilhado. Estão por esclarecer as calúnias de que foi objecto e as infâmias com que tentaram enlamear-lhe o nome. O resto é história: história nebulosa e sinistra.

A relativização do "socialismo" atingiu, com José Sócrates, uma violência social sem precedentes depois de Abril. Beliscou a liberdade de Imprensa; amolgou o Serviço Nacional de Saúde; reduziu a zero o subsistema de saúde dos jornalistas mas manteve os da Polícia e do Exército; cometeu o inacreditável quando aplicou impostos a reformados com pouco mais de 600 euros (120 contos) mensais; provocou uma trapalhada inextricável na Educação; aumentou o desemprego; impôs a delação como forma e método; promoveu inconcebíveis pressões sobre sindicatos e sindicalistas, e converteu em banalidade a insegurança em que vivemos. Se estão interessados, posso aumentar o rol até expressões quase intermináveis.

Surge Luís Filipe Menezes e, em três semanas, faz ruir o PS nas sondagens, segundo a interpretação das quais tudo o que há de pior habita no Executivo Sócrates. Este, de facto, havia conquistado o hoje, o agora, a actualidade, o presente; acenava-nos com o futuro, espargia sobre nós a água santa da esperança e da fé - e, caridosamente, dava cabo de nós, entremeando a loquacidade convicta, de que é capaz, com os tratos de polé ao nosso quotidiano, aplicados com gelada mestria.

O "socialismo moderno" de Sócrates era e é uma fraude. Escrevi-o e disse-o numerosas vezes. Precisávamos, realmente, de uma nova modernidade, fundamentada numa crítica ao capitalismo neoliberal, cuja acção predadora começou a sobressaltar, até, muitos empresários norte-americanos, tolhidos com o avanço larvar de um processo que já não dominam. Basta ler os artigos sobre economia, finanças e política do "New York Times". Por exemplo.

Menezes tem manifestado, com alguma prudência e uma dose de sensatez, não ser o desarvorado com que o pretenderam apodar, num exercício de perversidades concertado a partir do interior do próprio PSD. Quando afirmou: "Os comunistas não são meus inimigos, são meus adversários", desencadeou a ira de uma trupe de reaccionários, cujo entendimento da democracia não está associado à tolerância e à compreensão dos que pensam e agem de forma e modo diferentes. Cindir a sociedade entre bons e maus portugueses, falar de nós como quem fala de "outros", corresponde a uma interpretação deformada, por irreal, do universo em que nos movemos. A sociedade livre funda-se numa longa série de razões a que chamamos ideias.

A ascensão de Luís Filipe Menezes não se deve, somente, às ambiguidades de Sócrates e à avançada antisocial que empreendeu. O presidente do PSD realizou importante obra em Gaia, desenvolveu as actividades económicas, apoiou as artes e a cultura, e não caiu na tentação da intolerância e do ostracismo políticos. A Imprensa oculta o que lhe convém. E Menezes não é conveniente. Há um mês era zurzido por comentadores do óbvio, "historiadores" de rés-do-chão, estipendiados a soldo e com ausência de sentido, numa espécie de charneira paradigmática. Agora, até Marcelo Rebelo de Sousa declara que se enganou, adiantando que Menezes pode muito bem vir a ser o vencedor das eleições em 2009!

Escrevi que o homem possui vigor na discussão, e é muito mais lido e informado do que a esmagadora maioria dos seus detractores - sobretudo os de o seu partido. Ademais, note-se que, no elenco político dos seus conselheiros figuram Ângelo Correia, Luís Fontoura e Domingos Duarte Lima, cuja percepção, inteligência e cultura sobrelevam a média dos actuais "agentes políticos" portugueses.

As afirmações de Vítor Ramalho soam como uma grave advertência àqueles que, em nome do poder pelo poder, revolveram os padrões que, desde a Revolução Francesa, separam a Direita da Esquerda - e exerceram a mais tenebrosa das trapaças, enganando meio mundo. Mas há sempre a outra metade que sobressalta, alvoroça e pode determinar as coisas.

[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]


Post a message:
This forum requires an account to post.
[ Create Account ]
[ Login ]
[ Contact Forum Admin ]


Forum timezone: GMT+0
VF Version: 3.00b, ConfDB:
Before posting please read our privacy policy.
VoyForums(tm) is a Free Service from Voyager Info-Systems.
Copyright © 1998-2019 Voyager Info-Systems. All Rights Reserved.