VoyForums
[ Show ]
Support VoyForums
[ Shrink ]
VoyForums Announcement: Programming and providing support for this service has been a labor of love since 1997. We are one of the few services online who values our users' privacy, and have never sold your information. We have even fought hard to defend your privacy in legal cases; however, we've done it with almost no financial support -- paying out of pocket to continue providing the service. Due to the issues imposed on us by advertisers, we also stopped hosting most ads on the forums many years ago. We hope you appreciate our efforts.

Show your support by donating any amount. (Note: We are still technically a for-profit company, so your contribution is not tax-deductible.) PayPal Acct: Feedback:

Donate to VoyForums (PayPal):

25/02/24 21:42:10Login ] [ Contact Forum Admin ] [ Main index ] [ Post a new message ] [ Search | Check update time | Archives: 123456789 ]
Subject: CONTRIBUTOS DE VITAL MOREIRA PARA «O Renovamento de Marx»


Author:
António Vilarigues (Público 13.11.2007)
[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]
Date Posted: 13/11/07 17:41:26

CONTRIBUTOS DE VITAL MOREIRA PARA «O Renovamento de Marx»



Não há nada como (re)arrumar as estantes. Descobrem-se sempre preciosidades mais ou menos esquecidas. Mesmo para quem só arruma uma fila de livros por prateleira. Refira-se que em relação aos livros de “estudo” (por oposição aos de literatura), tenho o hábito de sublinhar a lápis lateralmente (na vertical), sempre e só com régua (!), o que me interessa. A régua, por aqueles caprichos da vida, é uma de 20cm, de massa, que me acompanha desde os 15 anos.


Vem isto a propósito do colega de coluna de opinião Vital Moreira. Reler o que sublinhei há 27 anos atrás no seu livro «O Renovamento de Marx» (1979, Ed. Centelha) foi um prazer renovado. Prazer esse que me levou a querer partilhá-lo com os leitores.


Não sei se, como refere na “Nota Prévia”, Vital Moreira os “enjeitará” ou não. Para mim foram, e são, referenciais do marxismo-leninismo em Portugal. Por isso aqui ficam alguns escolhidos ao acaso e por ordem de páginas:


Desde logo a referência a « (…) aquilo que há de mais singular no estatuto histórico da teoria marxista – a sua imediata relevância para uma praxis revolucionária». (p.8)


Depois, analisando Maximilien Ruben e a unidade do pensamento de Marx:

«A obra de Marx é uma, o pensamento de Marx foi um durante toda a sua vida: aquele que pela primeira vez se manifesta na Crítica da Filosofia do Direito de Hegel e nos Manuscritos de 44 e permanecerá inalterado até a O Capital e à Crítica do Programa de Gotha.

Toda a obra de Marx é uma clara e ilimitada adesão ao “comunismo como escala de valores”, o seu socialismo “repousa sobre premissas éticas” O Capital é uma “condenação moral, um gesto de recusa”, “a ‘crítica da economia política’ confunde-se em ultima instância, e apesar do seu amoralismo, com um ensinamento ético”». (p.26, 27)


Sobre Herbert Marcuse e a teoria marxista da revolução:

«Toda a teoria da revolução terá que definir pelo menos os seguintes pontos: (1) o que é que se revoluciona – isto é, qual é o objectivo da revolução? (2) quem é que faz, e de que modo se faz, a revolução – isto é, quem é o sujeito e qual é o processo da revolução? (3) em vista de que é que se faz a revolução – isto é qual é o fim e o resultado da revolução?» (p.64)


«Todas as dificuldades da teoria da revolução de Marcuse entroncam muito mais fundo, no próprio cerne do fundamento ontológico da revolução. O que é a revolução? Por que é que ela terá de ser efectivada pelas forças exteriores ao sistema? Por que é que ela terá de se afirmar como ruptura total?» (p.73)


Desmontando Marcuse:

«Afinal, o conceito de revolução de Marcuse tem pouco ou nada de marxista. A pretensão de a legitimar dentro dos quadros da própria teoria marxista tem de ser rejeitada.

Ela representa antes um retrocesso ao pré-marxismo, ao socialismo utópico de um Fourier. Importa a rejeição da tentativa de teorização histórica (2científica”) de Marx. Significa uma revalorização do anarquismo. Implica uma desvalorização do aspecto económico da revolução. Manifesta a substituição da teoria da luta de classes por uma teoria de elites-massas. E traduz finalmente a decisão por um idealismo voluntarista, em que à “imaginação”, à “fantasia”, “à utopia”, à opção por soluções igualmente realizáveis (“socialismo ou barbárie”) é dado o lugar que em grande medida lhes falta numa concepção materialista da história.» (p.89, 90)


«A teoria da revolução em Marcuse é, no fim, uma teoria da não revolução. (…) Esta [teoria marxista] possui os conceitos necessários para apreender a transformação da sociedade presente na sociedade que a própria teoria inscreve no curso da história.» (p.91, 92)


Polemizando com António Reis sobre Marcuse:

«Tome-se este texto [citação da “Crítica do Programa de Gotha” onde Marx explica o conceito de comunismo] por aquilo que ele efectivamente é: uma referência em concreto a uma ideia mais geral – a de que a grandiosa visão da sociedade comunista, do homem enfim liberto de todas as alienações (visão contida nos Manuscrito de 44), é aqui feita depender da abundância material, do fim tendencial do trabalho, em resumo, do fim da economia. Ela pressupõe o fim da “escravizante subordinação à divisão de trabalho”, o alargamento da “esfera da liberdade”, e a eliminação da “esfera da necessidade», como Marx dirá noutro lado.» (p.103)


Na mesma polémica atente-se bem nesta passagem:

« (…) para mim a teoria marxista da revolução socialista se integra coerentemente na teoria marxista do capitalismo, que, por sua vez é uma “aplicação” particular da teoria geral das formações sociais.» (p.109)


E nesta:

«O capitalismo não é hoje o mesmo de há cem anos. Mas, por mais transformações que tenha sofrido – e foram muitas –, elas não implicam que o capitalismo tenha deixado de ser… capitalismo; que tenha deixado de haver apropriação e utilização privada do sobre-produto social por uma classe; que tenha deixado de existir o controlo da sociedade através de um estado de classe; que as ideologias das classes dominantes tenham deixado de ser as ideologias socialmente dominantes. Sob o ponto de vista marxista, afirmar isso seria negar os princípios fundamentais da teoria.» (p.110)


Obrigado Vital!

[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]


Post a message:
This forum requires an account to post.
[ Create Account ]
[ Login ]
[ Contact Forum Admin ]


Forum timezone: GMT+0
VF Version: 3.00b, ConfDB:
Before posting please read our privacy policy.
VoyForums(tm) is a Free Service from Voyager Info-Systems.
Copyright © 1998-2019 Voyager Info-Systems. All Rights Reserved.