VoyForums
[ Show ]
Support VoyForums
[ Shrink ]
VoyForums Announcement: Programming and providing support for this service has been a labor of love since 1997. We are one of the few services online who values our users' privacy, and have never sold your information. We have even fought hard to defend your privacy in legal cases; however, we've done it with almost no financial support -- paying out of pocket to continue providing the service. Due to the issues imposed on us by advertisers, we also stopped hosting most ads on the forums many years ago. We hope you appreciate our efforts.

Show your support by donating any amount. (Note: We are still technically a for-profit company, so your contribution is not tax-deductible.) PayPal Acct: Feedback:

Donate to VoyForums (PayPal):

12/12/19 6:04:38Login ] [ Contact Forum Admin ] [ Main index ] [ Post a new message ] [ Search | Check update time | Archives: 123[4]56789 ]
Subject: A Extinção da Espécie Socialista


Author:
Paulo Gaião
[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]
Date Posted: 7/05/07 9:20:31

A mais que provável derrota de Segoléne Royal em França poderá representar a extinção da última socialista da Europa, uma espécie de Neanderthal, não se sabendo adaptar ao homem novo Australopithecus, que nasceu nos Partidos Socialistas com Blair, Sócrates e até Zapatero, hoje os mais eficazes serventuários do capitalismo. Que ainda têm a imagem de esquerda bem fresca para iludirem os seus eleitores enquanto governam à direita em quase tudo...Quase tudo porque os socialistas ainda por cima sabem disfarçam bem com bandeiras tipicamente de esquerda, como a legalização do aborto e o casamento dos homossexuais, que parecem simples manobras de diversão nas suas mãos perante o caminho que abrem ao trabalho forçado, aos baixos salários e ao fim do Estado Providência.
Perante esta evolução, o que vai ser a governação da Europa nos próximos anos? Que alternativas existem? Depois de a esquerda fazer o trabalho que a direita nunca conseguiu fazer, emagrecendo o Estado, cortando na despesa pública, dando rédea solta ao capitalismo industrial e financeiro para estender os seus tentáculos e criando um novo código cultural baseado em mais trabalho e mais produtividade, tudo isto feito com apreciável êxito em termos eleitorais, o regresso dos socialistas às anteriores políticas, as de Sególene, parecem não fazer sentido. É como se Sócrates, Blair e Zapatero, ou outros no seu lugar, quisessem construir o que destruíram com tanto sucesso. Por sua vez, quando o PSD, o Partido Conservador Britânico ou o Partido Popular espanhol regressarem ao poder, esse processo poderá acontecer só por uma espécie lei da vida onde tudo flui necessariamente e não por um verdadeiro impulso de mudança. Com o seu espaço político ocupado, a direita precisa de se reinventar. Mas em que sentido? Pode até arvorar-se em paladina do Estado de Direito mas não pode, seguramente, ser o motor de uma nova revolução social e económica. Assim, tendo visto os Partidos Socialistas aplicar as políticas que sempre defendeu em teoria mas que nunca conseguiu aplicar por causa dos sindicatos, dos comunistas e da pressão das ruas, a direita não tem espaço de manobra para inverter posições. Restam, então, à direita algumas bandeiras contestatárias, no plano dos direitos, liberdades e garantias mas cuja mensagem o eleitorado não percebe bem porque não está habituado a vê--la a berrar. Precisamente o que está a acontecer em Portugal com o PSD e a Nova Democracia. O resto, condena a direita a alguns truques. Como está a fazer o Partido Popular de Rajoy, ao utilizar a ETA e a questão de soberania e do regime, como arma de arremesso político contra o PSOE.
Mas com este processo em que a esquerda se tornou direita e destrói todos os dias a ideia do Estado Providência que alimenta a Europa há 60 anos, trata os Sindicatos com desprezo e assenta o seu modelo de desenvolvimento em melhores condições de investimento para o grande capital, à custa da diminuição de direitos, garantias e renumeração para os trabalhadores, estes mesmos trabalhadores podem continuar a votar alegremente nos socialistas? Hoje é certo que votam, deixando-se ir, ora manietados, ora alienados, ora iludidos, ora esperançados, ora simplesmente pondo em acção mecanismos de sobrevivência, como foi o caso de Portugal com Sócrates depois do descalabro de Santana. Mas amanhã como será? Como Marx dizia, é preciso primeiro criar uma consciência nos trabalhadores de que são desfavorecidos, de que estão a empobrecer e não a enriquecer, como os critícos do marxismo gostaram tantos anos de garantir, concluindo que o bem-estar do proletariado impedia a revolução, de que estão a ser explorados por um capitalismo global cada vez mais voraz, em sociedades cada vez mais injustas, onde os ricos são cada vez mais ricos e os pobres cada vez mais pobres. É preciso que haja uma consciência de classe. E as condições económico-sociais para tanto, e para o processo de luta de classes e de revolução social, (re) começam a existir... Quase quatrocentos anos depois do nascimento de Marx e de um conjunto de experiências mal sucedidas no século XX que fizeram cartilha do marxismo para alimentar projectos de poder pessoal e de controlo totalitário do mundo, o filósofo alemão pode estar a poucos anos de ver as suas teorias de novo ensaiadas... Talvez com mais pureza.


Este é o país

Este é o país onde o primeiro-ministro é acusado pelo maior partido da oposição de ter um projecto de poder pessoal. Este é o país onde a direita, com o seu espaço político ocupado pelos socialistas, no caso do Continente, ou pelo populismo de Alberto João Jardim, no caso da Madeira, faz um discurso insurrecto. Este é um país onde a capital Lisboa está paralisada há praticamente um ano, refém de tacticismos tanto à esquerda como à direita. Este é o país onde se vão fazer duas eleições para a capital no prazo de dois anos, como se a lei eleitoral funcionasse mais como empecilho do que como uma forma de melhor regular a gestão das câmaras. Este é um país onde as OPAs hostis têm uma morte lenta mas segura, como se o mercado não funcionasse e fosse preciso fazer um requerimento administrativo para as lançar. Este é o país que tem um dos partidos comunistas mais fortes da Europa mas que parece agachado perante Sócrates. Este é um país com três canais de televisão generalistas, com um deles na posse do Estado, ou seja debaixo da tutela do PS, e outro nas mãos do grupo socialista Prisa, dirigido pelo socialista Pina Moura. Este é um país onde muitas elites se deleitam com Espanha e só tem olhos para um futuro ibérico, sob a batuta de Madrid. Este é um país onde estão a ser sacrificados direitos e liberdades a bem do equílibrio financeiro e do crescimento económico, ou seja a bem da Nação, como dizia Salazar. Este é um país que tem sindicalistas reformados compulsivamente por delito de opinião.Este é um país com os nervos à flor da pele, onde uns odeiam Sócrates e outros o idolatram, admirando a tortura que ele faz da Função Pública. Este é o país onde um primeiro-ministro telefona seis vezes para um jornal para impedir a publicação de uma notícia. Este é um país onde os assessores se sentem cada vez mais senhores das consciências dos jornalistas. Este é o país onde a independência do Ministério Público e do poder judicial estão ameaçados. Este é o país que a pretexto do combate ao "jornalismo de sargeta" quer atacar a liberdade de imprensa. Este é o país que vai investigar a licenciatura do engenheiro Sócrates... A ver vamos.

[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]

Replies:
Subject Author Date
Como diria o cego! (NT)Observador interessado, atento e empenhado 7/05/07 19:34:07
Na ordem do diamim11/06/07 18:25:40


Post a message:
This forum requires an account to post.
[ Create Account ]
[ Login ]
[ Contact Forum Admin ]


Forum timezone: GMT+0
VF Version: 3.00b, ConfDB:
Before posting please read our privacy policy.
VoyForums(tm) is a Free Service from Voyager Info-Systems.
Copyright © 1998-2019 Voyager Info-Systems. All Rights Reserved.