VoyForums
[ Show ]
Support VoyForums
[ Shrink ]
VoyForums Announcement: Programming and providing support for this service has been a labor of love since 1997. We are one of the few services online who values our users' privacy, and have never sold your information. We have even fought hard to defend your privacy in legal cases; however, we've done it with almost no financial support -- paying out of pocket to continue providing the service. Due to the issues imposed on us by advertisers, we also stopped hosting most ads on the forums many years ago. We hope you appreciate our efforts.

Show your support by donating any amount. (Note: We are still technically a for-profit company, so your contribution is not tax-deductible.) PayPal Acct: Feedback:

Donate to VoyForums (PayPal):

11/12/19 13:29:30Login ] [ Contact Forum Admin ] [ Main index ] [ Post a new message ] [ Search | Check update time | Archives: 123[4]56789 ]
Subject: A dissidência da terceira via


Author:
Joana Lopes
[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]
Date Posted: 20/05/07 11:47:06

Publicado em
http://entreasbrumasdamemoria.blogspot.com


Li o livro (*) antes de ele chegar às livrarias (porque a editora fez o favor de mo enviar) e, portanto, liberta de quaisquer pressupostos com origem em opiniões alheias.

Entretanto, foram surgindo apreciações. Destaco duas: a de João Tunes no Água Lisa (6) (de um compagnon de route, naturalmente emotiva e entusiástica) e a de Rui Bebiano no Passado/Presente. (**)

Num outro post do mesmo blogue, João Tunes sublinha as semelhanças gráficas entre esta obra e o meu livro Entre as Brumas da Memória. São óbvias: basta olhar aqui para o lado direito do blogue para as ver. São também justificadas: mesma colecção da mesma editora, publicação com dois meses de intervalo, resultado do acolhimento de ambos por um excelente editor (Nelson de Matos), predisposto a dar guarida a excentricidades memorialísticas e históricas deste tipo e que, infelizmente, já deixou a Âmbar. Diz também J. Tunes que «lendo-os, as sensações de semelhança regressam à tona – estão lá todas as “igrejas” e as suas ovelhas tresmalhadas (...), confirmando as enormes semelhanças entre comunismo e catolicismo». Isso daria para muitas e longas considerações, mas hoje não vou por aí.

O livro de Raimundo Narciso (RN) é um importante testemunho, como é o que tinha escrito sobre a ARA, a que já me referi neste blogue. Se os protagonistas das histórias não as contarem, ninguém o fará por eles. Os historiadores poderão vir a «entrar na conversa», mas fá-lo-ão de uma outra maneira. E histórias não faltam a RN...

Gostaria de deixar três breves comentários que a leitura me suscitou e que nem chegam a ser críticas:

1. Na minha opinião, a imagem de Álvaro Cunhal sai de rastos. Não porque RN seja agressivo, nos termos ou nos conteúdos – muito pelo contrário, até mostra uma certa benevolência. Mas se é verdade que não existem no livro quaisquer novidades sobre a personalidade de Cunhal, os detalhes do seu comportamento, no dia a dia e em situações de ruptura, revelam, muito clara e sistematicamente, a prepotência e a intolerância que o caracterizavam.

2. Pode-se ficar com a impressão de que o problema mais importante, quase que o único, era o centralismo democrático, com todo o arsenal de considerações de ordem burocrática que lhe estão associadas. Não vi muitas clivagens ideológicas – falha minha, possivelmente.

3. Quando acabei a leitura – que fiz de um trago – tive a impressão de ter passado algumas horas dentro da Soeiro Pereira Gomes (só lá entrei uma vez, por razões familiares, mas chegou para imaginar agora alguns cenários). Nem sei se isto é uma crítica ou um elogio: se a intenção do autor, que não conheço pessoalmente, era revelar a claustrofobia em que viveu naquela casa, conseguiu perfeitamente o seu objectivo. Mas confesso que me faltou «a leitura interpretativa e historicamente contextualizada dos acontecimentos», de que fala Rui Bebiano.

Estas considerações não afectam, de modo algum, uma apreciação global muito positiva da obra – importante e de leitura incontornável.


(*) Raimundo Narciso, Álvaro Cunhal e a Dissidência da Terceira Via, Âmbar, Porto, 2007, 200 p.
(**) Ignoro, propositadamente, as que já li provenientes de fontes oficiais ou oficiosas do PCP, pela falta de seriedade que revelam.

[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]

Replies:
Subject Author Date
Re: A dissidência da terceira viapor causa do contraditório21/05/07 12:08:24
Re: A dissidência da terceira viajorge cordeiro (avante)22/05/07 19:15:07
Re: A dissidência da terceira viaafinal...27/05/07 12:25:40
Re: A dissidência da terceira viaJovem Atento16/06/07 12:39:24


Post a message:
This forum requires an account to post.
[ Create Account ]
[ Login ]
[ Contact Forum Admin ]


Forum timezone: GMT+0
VF Version: 3.00b, ConfDB:
Before posting please read our privacy policy.
VoyForums(tm) is a Free Service from Voyager Info-Systems.
Copyright © 1998-2019 Voyager Info-Systems. All Rights Reserved.