VoyForums
[ Show ]
Support VoyForums
[ Shrink ]
VoyForums Announcement: Programming and providing support for this service has been a labor of love since 1997. We are one of the few services online who values our users' privacy, and have never sold your information. We have even fought hard to defend your privacy in legal cases; however, we've done it with almost no financial support -- paying out of pocket to continue providing the service. Due to the issues imposed on us by advertisers, we also stopped hosting most ads on the forums many years ago. We hope you appreciate our efforts.

Show your support by donating any amount. (Note: We are still technically a for-profit company, so your contribution is not tax-deductible.) PayPal Acct: Feedback:

Donate to VoyForums (PayPal):

19/01/21 19:34:35Login ] [ Contact Forum Admin ] [ Main index ] [ Post a new message ] [ Search | Check update time | Archives: 1234[5]6789 ]
Subject: Portugal e o Pico de Hubber


Author:
Jorge Figueiredo
[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]
Date Posted: 23/05/07 17:45:24


Portugal e o Pico de Hubbert
por Jorge Figueiredo [*]

Produção e descobertas de petróleo. Um fantasma ronda o mundo. É o fantasma do fim da era do petróleo. O início do seu fim está a dar-se neste momento, quando a humanidade atinge o Pico Petrolífero. A partir deste ponto máximo a curva da produção mundial já não pode aumentar e inicia o seu declínio irreversível. Nos próximos 40 ou 50 anos a dotação de petróleo convencional existente no planeta deverá estar praticamente esgotada. Trata-se de um facto com profundas, graves e pesadas consequências para toda a humanidade, até mesmo de ordem demográfica.

Nos breves minutos concedidos para esta intervenção é impossível explicar com mais pormenor a teoria desenvolvida pelo Dr. King J. Hubbert, o grande geofísico norte-americano. Para os interessados remeto às investigações contemporâneas de cientistas como Collin Campbell, Jean Laherrere, Ali Bakhtiari, Kenneth Deffeyes, Matthew Simmons, Rui Namorado Rosa e tantos outros, que corroboram a plena validade da descoberta do Dr. Hubbert.

Pode-se perguntar: por que chamámos de fantasma àquilo que é um facto já estabelecido por numerosíssimas evidências empíricas e dados quantitativos? Resposta: pela simples razão de que tal facto está a ser omitido e silenciado. Trata-se de um conhecimento reservado apenas a "iniciados". Os governos do mundo que sabem da existência do Pico Petrolífero escondem-no dos seus cidadãos. As empresas petroleiras preferem não falar do assunto em público, tentando prolongar ao máximo uma situação que lhes é vantajosa. E os media ditos "de referência" vão entretendo o público com ficções marginais, como essa gigantesca campanha para instilar o medo de um suposto aquecimento global.

Não precisaremos esperar 50 anos para sentir as consequências do Pico. Elas já começaram a fazer-se sentir. Basta ver a nova agressividade do imperialismo pelo domínio dos recursos petrolíferos remanescentes no planeta, na África, Ásia, América Latina e obviamente Médio Oriente, onde chega a brutais invasões armadas e à instalação de bases militares permanentes. Assistimos a tudo isso, mas entre o grande público persiste um défice de percepção das suas causas de fundo: o fim da Era do Petróleo, anunciado pelo Pico (ou actual plateau).

Há uma realidade que deve ser encarada de frente: o petróleo convencional não pode ser substituído, não existe no mundo qualquer outra energia primária que substitua a quantidade agora produzida e consumida de petróleo convencional, da ordem do 84 milhões de barris por dia. Nem os petróleos não convencionais ( deep offshore, polar, areias betuminosas, petróleos pesados, processos coal to liquids e gas to liquids, etc), nem as energias renováveis (como as mixórdias feitas com biocombustíveis líquidos), nem o metano fóssil ou não-fóssil podem substituir as quantidades colossais hoje gastas na grande festa do consumo de petróleo. Simplesmente não existem meios energéticos alternativos para tais quantidades.

Deste dado factual devem-se tirar as conclusões que se impõem: 1) a humanidade terá necessária e inevitavelmente de reduzir o seu consumo energético; 2) deveríamos desde já preparar uma transição tão suave quanto possível, não traumática, para o mundo pós petróleo. Tal preparação, estima um investigador norte-americano, levará pelo menos uns dez anos e exigirá grandes investimentos.

Além disso, há uma terceira conclusão a ser extraída: a partir de agora deveríamos poupar tanto quanto possível do petróleo remanescente no planeta em benefício das gerações vindouras. É o que propõe o "Protocolo do Esgotamento" (Depletion Protocol), um esquema inteligente de racionalização da produção e consumo de petróleo destinado a congregar os interesses divergentes dos países produtores e dos países consumidores. O PCP já deu um passo nesse sentido: muito lucidamente apresentou no Parlamento o Projecto de Resolução Nº 164/X (Diário da Assembleia da República, 2ª série, 20/Dezembro/2006).

Se no plano mundial já há numerosos estudos acerca das consequências do início do fim da Era do Petróleo, aqui no nosso burgo lusitano estamos atrasadíssimos até mesmo quanto à consciência da própria existência do Pico, e mais ainda quanto às suas consequências. Continuamos alegremente a festa do consumo desbragado de petróleo, como se ela pudesse perdurar para sempre. A ignorância dos governantes portugueses é aterradora e nem sequer dispõem de uma política energética digna desse nome.

A dependência portuguesa nas importações de energia é da ordem dos 84 por cento. Além disso verifica-se um afunilamento: do total da energia importada, 68 por cento é constituída por petróleo. Trata-se de uma situação assustadora mesmo nesta fase incipiente em que as consequências do Pico ainda são ténues. Considerando que no mundo pós-Pico haverá uma tendência estrutural para o aumento do preço do barril, Portugal ficará numa situação de vulnerabilidade total.

Em 2005 o país efectuou importações líquidas de 15,88 milhões de toneladas de petróleo. A repartição do consumo final nesse ano, como mostra o balanço energético da DGGE , foi assim:
Sector Toneladas %
# Agricultura e pescas
278.290 2,4
# Indústrias extractivas
74.190 0,7
# Indústrias transformadoras
1.535.808 13,5
# Construção e obras públicas
849.890 7,5
# Transportes
dos quais: rodoviários
6.840.828
6.199.830 60,0
54,4
# Doméstico
715.656 6,3
# Serviços
1.100.647 9,7
Consumo final 11.395.309 100

Estes números mostram a desindustrialização do país (apenas 13,5 por cento para a indústria transformadora). Mas mostram sobretudo o verdadeiro cancro que corrói a economia portuguesa: o desbragado consumo energético do sector dos transportes, o qual é constituído quase exclusivamente por refinados de petróleo. Qualquer governo decente consideraria tal situação, em si mesma, como insustentável. Mesmo que não estivéssemos na primeira fase do mundo pós-pico do petróleo (adoptando o modelo classificatório das quatro fases proposto por Bakhtiari) a situação presente é altamente preocupante e exige medidas de emergência no imediato.

Tratar com profundidade assuntos secundários e ignorar o que é realmente importante constitui uma atitude suicida — mas parece ser aquela adoptada pelo governo Sócrates. Por ignorância ou inconsciência, o governo português não só não está a tomar a medidas necessárias para minimizar o impacto do fim da Era do Petróleo como efectua acções que poderão agravá-lo, comprometendo gerações futuras de portugueses. Impõe-se que tal atitude seja revertida, tendo em atenção os prazos, ou seja, as quatro fases que decorrerão entre o presente e o ano 2020. É preciso que a actual primeira fase do pós-Pico (a decorrer até 2009-2010), relativamente benigna, seja aproveitada para preparar as fases mais gravosas que virão a seguir.

Assim, aponta-se como rumos de actuação o seguinte conjunto de medidas:

1) Criar, no âmbito do Estado, um grupo nacional de preparação para o enfrentamento do Pico Petrolífero, constituído por sábios e personalidades eminentes no domínio da energia.

2) Reexaminar todos os grandes projectos nacionais à luz das consequências do Pico Petrolífero, o que deverá conduzir à paralisação do desenvolvimento dos projectos mais absurdos agora em curso (como o novo aeroporto , o TGV e a proliferação de termoeléctricas a gás natural);

3) Relançar o Plano Energético Nacional (PEN), com base na regra dos 80/20 e uma atenção muito especial ao sector dos transportes. O novo PEN deverá abandonar a política demissionista do Estado no domínio energético, hoje entregue à sanha predatória do capital monopolista em busca do lucro fácil;

4) Iniciar a consciencialização dos operadores económicos, do público em geral e dos próprios governantes quanto à real situação energética do mundo;

5) Ter em atenção aquilo que outros governos europeus estão realmente a fazer – ainda que de forma discreta – no domínio das medidas preparatórias para minimizar o impacto do Pico Petrolífero (o que nem sempre coincide com as políticas apregoadas pela União Europeia);

6) No domínio dos transportes rodoviários, iniciar uma política geral de substituição dos combustíveis petrolíferos pelo gás natural comprimido (GNC) e gás natural liquefeito (GNL), com a instalação de uma rede postos de abastecimento de GNC e GNL;

7) Adjudicar a laboratórios do Estado (como o INETI) a instalação de protótipos e posterior generalização de instalações para a produção de biometano a partir de Estações de Tratamento de Águas Residuais (ETARs), aterros sanitários e biomassa florestal;

8) No domínio da produção de electricidade: a) esgotar o potencial hidroeléctrico nacional antes do ano 2020; b) privilegiar o carvão na instalação de novas centrais termoeléctricas; c) suspender os licenciamentos de quaisquer novas termoeléctricas a gás natural; d) preparar a instalação de uma primeira central nuclear em Portugal.

Caro amigos:
Penso que mal pude aflorar as questões principais. Mas, dentro do espaço de tempo que me foi concedido, este é o resumo que consigo transmitir quanto às nossas reflexões acerca do futuro da energia em Portugal. Muito obrigado pela vossa atenção. Fico à disposição para quaisquer esclarecimentos.
[*] Intervenção na sessão sobre Energia, realizada em Lisboa a 22/Maio/2007 no âmbito da Conferência Nacional do PCP sobre Questões Económicas e Sociais.

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .
23/Mai/07

[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]


Post a message:
This forum requires an account to post.
[ Create Account ]
[ Login ]
[ Contact Forum Admin ]


Forum timezone: GMT+0
VF Version: 3.00b, ConfDB:
Before posting please read our privacy policy.
VoyForums(tm) is a Free Service from Voyager Info-Systems.
Copyright © 1998-2019 Voyager Info-Systems. All Rights Reserved.