VoyForums
[ Show ]
Support VoyForums
[ Shrink ]
VoyForums Announcement: Programming and providing support for this service has been a labor of love since 1997. We are one of the few services online who values our users' privacy, and have never sold your information. We have even fought hard to defend your privacy in legal cases; however, we've done it with almost no financial support -- paying out of pocket to continue providing the service. Due to the issues imposed on us by advertisers, we also stopped hosting most ads on the forums many years ago. We hope you appreciate our efforts.

Show your support by donating any amount. (Note: We are still technically a for-profit company, so your contribution is not tax-deductible.) PayPal Acct: Feedback:

Donate to VoyForums (PayPal):

7/12/19 1:31:09Login ] [ Contact Forum Admin ] [ Main index ] [ Post a new message ] [ Search | Check update time | Archives: 12345[6]789 ]
Subject: Entrevista a Carlos Brito


Author:
www.comunistas.info
[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]
Date Posted: 4/04/07 11:41:06

Entrevista de Carlos Brito
para o Site da RC

P: - Como vês a situação actual do movimento comunista e das vias para a sua próxima evolução?
R: - A meu ver, a crise permanece. Avultam, usando uma linguagem metafórica, as ruínas e os escombros do velho M.C.I. (Movimento Comunista Internacional). Mas enquanto vários partidos, como o PCP, continuam mergulhados na poeira do sectarismo, fazendo de conta que nada aconteceu e mantendo-se de facto fiéis aos antigos dogmas derrotados, outros partidos procuram renascer dos escombros através da análise crítica e autocrítica do passado e, com esses ensinamentos, abrem caminho para o futuro. Com idêntica atitude, surgem novos agrupamentos, movimentos, associações, como a RC, nascidos das rupturas provocadas na luta pela renovação nos partidos que a bloquearam, usando métodos repressivos e sancionatórios. Finalmente, e persistindo na metáfora, florescem por todo o lado núcleos e grupos marxistas com uma visão teórica e uma praxis inovadoras.
A superação da crise não se fará, de certeza, com a teimosia senil dos que não são capazes de mudar, mas terá que ser feita com estas renovadas e novas forças comunistas que não hesitam em lutar pela mudança de métodos, processos, vias, do próprio paradigma. É fundamental que os comunistas se separem inequivocamente do paradigma stalinista do Estado senhor e ditador, burocratizado e repressivo que vigorou na União Soviética e nos países do chamado «socialismo real». É preciso afirmar a união indissolúvel do socialismo com a liberdade e a democracia e o primado desta união em todas as etapas da luta. Como dizia João Amaral: «Não pode haver construção de uma sociedade de progresso e justiça se não houver escrupuloso respeito pela Carta da Democracia, do pluralismo e da liberdade». Por último, há que retomar a perspectiva de Marx sobre a autogestão social comunista em que o Estado progressivamente se retira e em que o desenvolvimento livre de cada qual se converte na condição do desenvolvimento livre de todos.

P: Queres comentar os Encontros Internacionais de Partidos Comunista de que o PCP tem sido organizador e participante?
R: Sim, não queria deixar de referir esses Encontros. É um facto que têm juntado à mesma mesa partidos com linhas políticas e concepções ideológicas diferentes, como por exemplo, o que é muito curioso, em relação ao «marxismo-leninismo». O segredo destas reuniões, em que o passado é tabu salvo quando é motivo de exaltação, reside em excluir todas as matérias teóricas e outras eventualmente polémicas. São encontros para produzir a aparência enganadora da continuidade do velho MCI, muito bons para proporcionar viagens e convívios de dirigentes, mas não creio que adiantem alguma coisa para a evolução do movimento.

P: Agora com a sua estruturação qual é a viabilidade da RC cumprir um papel «pivot» no despertar do interesse dos comunistas portugueses para uma interrogação sobre os caminhos do comunismo?
R: Julgo que para isso é muito importante a revalorização do trabalho teórico, o debate de ideias, a reflexão crítica sobre as boas e más experiências do movimento comunista e, ao mesmo tempo, o estudo sobre a nossa realidade e as actuais formas do domínio do capital. O objectivo deve ser o desenvolvimento de uma forte cultura de transformação social, não para formar sábios, mas para assegurar uma intervenção consistente nas batalhas de classe, nas lutas dos trabalhadores no nosso país e no mundo.
É claro que este trabalho teórico não pode deixar de ter expressão pública. O site da RC tem um papel essencial a desempenhar. Livros, de autoria individual ou colectiva, e outras publicações são muito necessários, assim como a intensificação da colaboração em jornais e revistas, que já hoje acontece. Nada disto dispensa a realização de sessões para discussões teóricas onde confrontemos a nossa visão comunista com a de outros, comunistas ou não.
Na minha opinião, o tal papel «pivot», que referes, também se deve realizar na intervenção que a RC for capaz de assegurar noutras áreas.
Um aspecto destacado desta intervenção deve ser a contribuição da RC para a convergência das forças de esquerda sem exclusões (que do meu ponto de vista deve compreender o PCP, o BE, o MIC e os sectores do PS preocupados com o lado social da governação). Acho que RC pode avançar e popularizar ideias, através de debates e iniciativas de diferente natureza, que contribuam para um Programa de Governação à Esquerda que deve constituir a base de uma alternativa às políticas de direita que vigoram.

P: Como vês a situação europeia em termos de posição e perspectiva das forças de esquerda?
R: O impasse em que a União Europeia caiu há dois anos a este parte e a encruzilhada em continua a debater-se, como acaba de ser demonstrado pelas comemorações dos 50 anos do Tratado de Roma, são a clara demonstração das insanáveis contradições da integração hegemonizada pelo capital.
Torna-se hoje muito evidente a crescente necessidade de uma força de intervenção política dos trabalhadores, coesa, autónoma, supranacional, a actuar dentro das instâncias comunitárias, que contrarie as «soluções» anti-sociais do neoliberalismo reinante e influencie políticas favoráveis ao desenvolvimento económico-social no espaço europeu e em cada um dos países membros, incluindo com uma mais justa redistribuição dos recursos financeiros e dos rendimentos.
Eu sou daqueles que espero que o Partido Europeu da Esquerda, agregando comunistas e outras forças de esquerda, possa vir a desempenhar esse urgente papel. Entendo por isso que a RC deve apoiar, sem reservas, o seu reforço e consolidação e, também, por esta forma «assumir a dimensão internacional da luta dos comunistas», como diz Manifesto.

Abril de 2007

[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]

Replies:
Subject Author Date
Re: Entrevista a Carlos BritoBranco 4/04/07 16:17:34
Re: Entrevista a Carlos Britoresistir 4/04/07 17:00:48
Re: Entrevista a Carlos Britocristiano 6/04/07 13:53:21
Re: Entrevista a Carlos Britocarlos 9/04/07 13:31:56
Re: Entrevista a Carlos BritoMário Montezinho10/04/07 13:52:36


Post a message:
This forum requires an account to post.
[ Create Account ]
[ Login ]
[ Contact Forum Admin ]


Forum timezone: GMT+0
VF Version: 3.00b, ConfDB:
Before posting please read our privacy policy.
VoyForums(tm) is a Free Service from Voyager Info-Systems.
Copyright © 1998-2019 Voyager Info-Systems. All Rights Reserved.