VoyForums
[ Show ]
Support VoyForums
[ Shrink ]
VoyForums Announcement: Programming and providing support for this service has been a labor of love since 1997. We are one of the few services online who values our users' privacy, and have never sold your information. We have even fought hard to defend your privacy in legal cases; however, we've done it with almost no financial support -- paying out of pocket to continue providing the service. Due to the issues imposed on us by advertisers, we also stopped hosting most ads on the forums many years ago. We hope you appreciate our efforts.

Show your support by donating any amount. (Note: We are still technically a for-profit company, so your contribution is not tax-deductible.) PayPal Acct: Feedback:

Donate to VoyForums (PayPal):

29/02/24 12:51:23Login ] [ Contact Forum Admin ] [ Main index ] [ Post a new message ] [ Search | Check update time | Archives: 123456789 ]
Subject: Prémio Nobel de Economia: paradoxos e metáforas


Author:
Alejandro Nadal
[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]
Date Posted: 18/10/07 14:47:21



. Pobre Adam Smith. Agora deve estar confuso no seu túmulo na pequena igreja de Canongate, em Edimburgo. Ele há de se perguntar: se os membros do comité do Prémio Nobel são tão conservadores, como é que este ano atribuíram-no a um economista (Leonid Hurwicz) que tanto contribuiu para enterrar definitivamente a teoria do mercado?

Para entender este paradoxo é preciso retirar o velho Smith do seu caixão, sacudir-lhe e pó e contar-lhe algo acerca da evolução da teoria económica, principiando pelo Nobel deste ano para três economistas que desenvolveram a teoria do desenho de mecanismos. Ainda que a imprensa tenha tentado esclarecer o público sobre o que é isso de "desenho de mecanismos", as explicações não passaram de uma série de citações piedosas do comunicado do comité Nobel que não dizem nada. A Smith será preciso explicar qual é a relação entre a bela e poderosa metáfora da "mão invisível" e o desenho de mecanismos.

A alegoria da mão invisível pretender responder a uma pergunta inquietante: se os indivíduos que compõem uma sociedade são egoístas, como é que não acabam por matar-se uns aos outros? A solução deste enigma está, segundo Smith, no mecanismo da mão invisível: o mercado é um dispositivo social que permite coordenar os planos de indivíduos egoístas numa sociedade sem necessidade de que o Estado tenha de intervir. Nesta metáfora, o mercado não só torna compatíveis os planos individuais de agentes egoístas sem que estes percebam isto (da a "invisibilidade" do mecanismo) como permite alcançar a prosperidade. Mas ainda que Adam Smith o tenha tentado, não pôde proporcionar a prova científica de que efectivamente era isso o que acontecia no mercado.

Em 1948 Samuelson apresentou uma demonstração de que a posição de equilíbrio está associada a um critério de eficiência. Alguma coisa é alguma coisa, ainda que o critério de eficiência (óptimo de Pareto) deixe muito a desejar. Mas continuava a faltar o mais importante: demonstrar que as forças do mercado conduzem ao ponto de equilíbrio. Para isso era necessário construir um modelo que representasse de maneira dinâmica o processo de formação dos preços de equilíbrio.

Depois de um longo percurso, com o trabalho de Kenneth Arrow e Leonid Hurwicz sobre "estabilidade do equilíbrio competitivo" (1958-59) a comunidade académica pensou que fora possível demonstrar definitivamente que as forças do mercado conduziam ao equilíbrio. O que fizeram estes autores? Construíram um engenhoso modelo de equações diferenciais no qual as forças da competição permitem a formação de preços de equilíbrio para todas as mercadorias simultaneamente (a esses preços oferta igual a procura em todos os mercados ao mesmo tempo). A utilização de um instrumental matemático poderoso (funções Lyapunov) permitia-lhe "demonstrar" a convergência até a posição de equilíbrio.

Pela primeira vez fora construído um mecanismo que aparentemente permitia demonstrar que com efeito, tal como sugeria a metáfora de Smith, as forças do livre mercado conduziam os preços das mercadorias à posição de equilíbrio e à eficiência.

Desgraçadamente para o mecanismo concebido por Hurwic, nesse modelo a formação de preços de equilíbrio só podia ser garantido mediante a intervenção de pressupostos muito restritivos (bem conhecidos na disciplina: bens substitutos brutos ou o axioma débil das preferências reveladas a nível de mercado). Mas, ainda que esse resultado fosse insatisfatório, Arrow e Hurwicz aventuraram uma conjectura. Afirmaram que apesar de reconhecerem que o resultado alcançado dependia de maneira crucial da introdução de pressupostas restritivos, pensavam que em geral (ou seja, sem os referidos pressupostos abusivos) era possível demonstrar que o mecanismo de mercado conduzia sim a uma posição de equilíbrio.

Erro crasso. Em 1960, num artigo famoso, Herbert Scarf demonstrou que essa conjectura era inválida: com um contra-exemplo pôde provar que, se se retirassem os pressupostos restritivos, o mecanismo do modelo não servia para demonstrar que a mão invisível permitia tornar compatíveis os planos individuais (no equilíbrio). Apesar de famoso, esse artigo passou desapercebido até para os alunos preferidos de Scarf.

O debate foi um divisor de águas. Catorze anos depois, Debreu, Mantel e Sonnenschein demonstraram que para atingir o resultado de Arrow-Hurwic, seria sempre necessário recorrer a pressupostos restritivos. Ponto final: esse foi o último prego no ataúde da teoria do equilíbrio geral.

Desde então, Leonid e os seus amigos passam o tempo a desenhar mecanismos para a teoria dos jogos. A realidade é que 230 anos depois de A riqueza das nações, a teoria económica ainda não sai da sua metáfora sobre a mão invisível. Os pais da teoria do equilíbrio geral reconheceram-no, apesar de isso não ser ensinado nas escolas de economia (nem aqui nem nos Estados Unidos). A única base da ideia de que o mercado é um mecanismo eficiente para assinalar recursos é a fé, não a ciência. E esse resultado nem 10 prémios Nobel podem mudá-lo.
17/Outubro/2007
O original encontra-se em http://www.jornada.unam.mx/2007/10/17/index.php?section=opinion&article=028a1eco

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .
18/Out/07

[ Next Thread | Previous Thread | Next Message | Previous Message ]

Replies:
Subject Author Date
Algumas ideias avulsasGuilherme Fonseca Statter21/10/07 13:59:28


Post a message:
This forum requires an account to post.
[ Create Account ]
[ Login ]
[ Contact Forum Admin ]


Forum timezone: GMT+0
VF Version: 3.00b, ConfDB:
Before posting please read our privacy policy.
VoyForums(tm) is a Free Service from Voyager Info-Systems.
Copyright © 1998-2019 Voyager Info-Systems. All Rights Reserved.